NASA responde a alegações de que asteroide ‘perdido’ atingirá a Terra em 2024

por Lucas
0 comentário 240 visualizações

O asteroide 2007 FT3, observado pela primeira vez em 2007, é um objeto significativo na Tabela de Risco Sentry da NASA, que lista objetos com potencial de impacto na Terra. Este asteroide, medindo 314 metros, foi visível por um breve período de 1,2 dias, durante o qual foi rastreado em 14 pontos diferentes em seu arco.

Este curto período de observação levou à sua classificação como um asteroide “perdido”, pois se tornou muito fraco para ser rastreado. Apesar disso, os dados coletados permitiram que os astrônomos calculassem sua órbita e avaliassem cenários potenciais de colisão com a Terra. Dessa análise, o Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra da NASA identificou 89 impactos potenciais, um dos quais inclui um possível encontro com a Terra em 5 de outubro de 2024.

O impacto potencial do asteroide 2007 FT3, caso colidisse com a Terra, é estimado em energia equivalente a 2,6 bilhões de toneladas de TNT. Essa estimativa e a possibilidade de colisão causaram compreensivelmente preocupação. No entanto, vale lembrar que um ponto previsto de aproximação próxima, em 2019, não resultou em nenhum impacto.

A NASA e outros observatórios astronômicos ao redor do mundo mantêm um rastreamento vigilante de objetos no Sistema Solar, especialmente “objetos próximos à Terra” que são de 140 metros ou maiores. Esses objetos são de particular interesse devido ao seu potencial de causar danos significativos caso colidam com o planeta. Até o momento, os astrônomos previram com sucesso as órbitas dos objetos conhecidos até cerca de um século no futuro. A NASA confirmou que não há asteroides conhecidos maiores que 140 metros com uma chance significativa de impactar a Terra nos próximos 100 anos.

Respondendo a preocupações específicas sobre o asteroide 2007 FT3, a NASA reiterou que não há ameaças conhecidas de impacto de asteroides para o próximo século. A agência, juntamente com seus parceiros, monitora continuamente os céus para identificar, rastrear e categorizar asteroides e objetos próximos à Terra (NEOs). Estes esforços incluem o rastreamento daqueles que podem se aproximar da Terra. A definição da NASA de uma aproximação próxima é um asteroide que chega a menos de 30 milhões de milhas da órbita da Terra (cerca de 48 milhões de quilômetros). Quanto maior o asteroide, mais fácil é para os especialistas em defesa planetária detectar e entender sua órbita, muitas vezes anos ou até décadas antes.

No caso de o asteroide 2007 FT3 ser reobservado em uma pesquisa do céu ou por astrônomos tentando rastrear seu caminho, haveria uma oportunidade de obter informações mais precisas sobre sua órbita. Isso poderia potencialmente levar à remoção do asteroide da lista de impactadores potenciais da Terra.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.