O centro da nossa galáxia está pulsando com um sinal estranho

por Lucas
0 comentário 23 visualizações

O buraco negro supermassivo no centro da nossa Via Láctea, Sagitário A* (Sgr A*), apresenta um aspecto fascinante e enigmático da nossa galáxia. Ao contrário de seus equivalentes mais ativos em outras galáxias, conhecidos por consumir grandes quantidades de material e ejetar imensos jatos de plasma, o Sgr A* mantém um comportamento relativamente tranquilo. No entanto, isso não diminui seu interesse. Na verdade, observações recentes revelaram comportamentos que desafiam nossa compreensão e destacam a natureza dinâmica deste gigante cósmico.

Os astrofísicos Gustavo Magallanes-Guijón e Sergio Mendoza da Universidade Nacional Autônoma do México fizeram uma descoberta revolucionária. Eles registraram o Sgr A* exibindo o que pode ser melhor descrito como pulsando. Esse fenômeno envolve uma flutuação consistente no fluxo de raios gama emanando do buraco negro a cada 76 minutos. Essa descoberta, atualmente em processo de revisão por pares, acrescenta uma nova camada à nossa compreensão do Sgr A*.

A importância desta descoberta reside na sugestão de periodicidade, semelhante às mudanças observadas nas emissões de rádio e raios-X do buraco negro. Isso aponta para a possibilidade de um objeto em movimento orbital rápido ao redor do buraco negro. Tal descoberta é fundamental, pois fornece insights sobre as dinâmicas complexas que ocorrem nas proximidades dos buracos negros, particularmente no ambiente gravitacional extremo fora de seus horizontes de eventos. Enquanto os próprios buracos negros não emitem radiação detectável, aparecendo como vazios mais escuros que o escuro, o espaço ao redor deles é um campo fértil de atividade astrofísica.

O Sgr A* emite luz em múltiplos comprimentos de onda, e a intensidade dessa luz varia consideravelmente ao longo do tempo. Um padrão foi discernido em alguns desses comprimentos de onda. Por exemplo, as ondas de rádio dessa região flutuam em uma escala de tempo de cerca de 70 minutos, e as erupções de raios-X mostram uma periodicidade de 149 minutos, aproximadamente o dobro da flutuação de rádio e agora de raios gama. Esse alinhamento na periodicidade entre diferentes comprimentos de onda implica uma causa subjacente comum, provavelmente um objeto orbitando o buraco negro.

A descoberta da radiação gama ligada ao Sgr A* em 2021 foi um ponto de virada. Magallanes-Guijón e Mendoza, intrigados pelo potencial de segredos ocultos nos dados de raios gama, analisaram registros do Telescópio Espacial de Raios Gama Fermi. Sua análise revelou as regulares erupções de raios gama do Sgr A*, marcando um passo significativo na pesquisa de buracos negros. A radiação gama, o intervalo de comprimento de onda mais energético da luz no universo, agora tinha uma associação direta com o Sgr A*.

Os pesquisadores sugerem que a fonte dessas erupções é provavelmente uma bolha de gás quente orbitando o buraco negro. Essa bolha provavelmente é mantida unida por um forte campo magnético que submete as partículas à aceleração sincrotrônica, um processo que resulta na emissão de radiação. Notavelmente, essa bolha orbita o Sgr A* a uma distância semelhante à de Mercúrio em relação ao Sol, mas a uma fração da velocidade da luz.

Essas erupções e sua periodicidade associada oferecem uma janela para as condições extremas perto dos buracos negros. Conforme essa bolha de gás orbita, ela emite erupções energéticas e, ao esfriar, sua luz de rádio se intensifica. A descoberta de erupções de raios gama dá mais suporte a esse modelo, proporcionando um quadro mais abrangente dos processos em jogo ao redor do Sgr A*.

No entanto, a jornada para entender completamente o Sgr A* está longe de terminar. Os buracos negros, por sua própria natureza, são complexos de estudar, e o Sgr A* não é exceção. O modelo atual, embora convincente, requer mais refinamento e validação. Observações contínuas em múltiplos comprimentos de onda são essenciais para desvendar os mistérios deste buraco negro supermassivo. À medida que os pesquisadores investigam mais profundamente esses fenômenos cósmicos, cada descoberta, como as erupções de raios gama pulsantes, não apenas aprimora nosso conhecimento sobre o Sgr A*, mas também enriquece nossa compreensão do universo como um todo.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.