O Sol pode ser consciente? Alguns cientistas acham que sim

por Lucas
1 comentário 410 visualizações

O debate em curso sobre a natureza da consciência e sua relação com o universo físico tomou um rumo intrigante com a ressurgência do panpsiquismo, uma visão filosófica sugerindo que a consciência é um aspecto fundamental de todas as entidades, incluindo corpos celestes como o Sol. Essa perspectiva oferece uma radical partida das visões tradicionais sobre a consciência, que historicamente oscilaram entre o dualismo, a crença na separação entre mente e matéria, e o fisicalismo, a ideia de que a consciência emerge unicamente de processos físicos.

O panpsiquismo propõe um meio-termo, sugerindo que a consciência não é exclusiva de seres com cérebros, mas é uma qualidade inerente a toda matéria. Esse conceito encontrou um proponente no biólogo Rupert Sheldrake, cujo trabalho no campo da ressonância mórfica — uma teoria sugerindo que organismos similares estão interconectados através de um tipo de telepatia e compartilham memórias coletivas — se alinha às suas visões sobre a consciência cósmica.

Em um artigo publicado no Journal of Consciousness Studies em 2021, Sheldrake defende a consciência do Sol e de outras estrelas, afirmando que “a consciência, a percepção ou a experiência podem estar presentes em sistemas auto-organizáveis em muitos níveis de complexidade”. Esse ponto de vista desafia a preocupação fisicalista convencional sobre o surgimento da consciência a partir de sistemas simples, ampliando o escopo da consciência para incluir estrelas, sistemas solares e galáxias.

As ideias de Sheldrake estendem-se além do reino da biologia e entram na física, particularmente em sua discussão sobre campos eletromagnéticos como potenciais condutores para a consciência. “A ligação entre mentes e sistemas físicos parece ser através de campos eletromagnéticos rítmicos”, explicou Sheldrake em uma entrevista com a Popular Mechanics, destacando a presença de tais campos ao redor do Sol e sugerindo que eles possam servir como uma interface entre a mente solar e seu corpo físico.

No entanto, a noção de um Sol consciente levanta várias questões científicas e filosóficas. Críticos do panpsiquismo argumentam que a teoria carece de evidências empíricas, particularmente em sua aplicação a corpos celestes. O artigo explora as implicações da consciência estelar, incluindo a ideia de que estrelas poderiam exercer controle sobre seu movimento através de jatos direcionais, um conceito que desafia o entendimento atual da dinâmica estelar, que atribui os movimentos estelares às forças gravitacionais e à influência da matéria escura.

A discussão se estende ao movimento das estrelas dentro da Via Láctea, documentado pelo observatório Gaia da Agência Espacial Europeia, que rastreia a posição e o movimento de quase dois bilhões de estrelas. Os dados do observatório, capazes de reconstruir a história da galáxia, apoiam o modelo prevalecente da influência da matéria escura sobre os movimentos estelares, contradizendo a noção de movimento estelar autodirigido proposto pelo panpsiquismo.

O artigo de Sheldrake também mergulha na complexidade dos campos magnéticos celestiais, particularmente o do Sol, como base para argumentar sua consciência. A discussão é justaposta com o campo magnético ainda mais intrincado de Urano, que é descentralizado e sofre mudanças diárias, sugerindo que a complexidade por si só pode não ser suficiente como evidência para a consciência.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

1 comentário

Claudio Pedrosa de Oliveira 07/05/2024 - 09:26

Eu acredito na “Teoria da Consciência Cósmica Interconectada” que postula que a consciência é uma propriedade intrínseca e universal do cosmos, permeando todas as coisas desde as partículas subatômicas até os organismos complexos. Essa teoria propõe que todas as formas de vida e elementos do universo estão interligados por meio de uma consciência cósmica, onde a informação, a energia e a experiência são compartilhadas e influenciadas mutuamente. Através da ressonância mórfica, da psicometria espírita, do entrelaçamento quântico e do pampsiquismo, essa teoria busca explicar a interconexão fundamental entre todos os aspectos do cosmos, desafiando concepções tradicionais de separação e individualidade, e oferecendo uma visão holística da realidade.

Comentar