Mulher com dois úteros dá à luz após engravidar em ambos

por Lucas
0 comentário 3 visualizações

Kelsey Hatcher, aos 32 anos, vivenciou um parto único no Hospital da Universidade do Alabama em Birmingham, EUA. Ela deu à luz duas meninas, cada uma em um útero separado. Esta ocorrência rara foi devido à condição de Hatcher conhecida como útero didelfo, uma anomalia congênita na qual uma mulher possui dois úteros e dois colos do útero. As bebês, chamadas Roxi e Rebel, nasceram em dias diferentes – Roxi em 19 de dezembro às 19:45 e Rebel em 20 de dezembro às 6:10, tendo assim aniversários separados.

Diagnosticada com útero didelfo aos 17 anos, Hatcher já havia passado por três gravidezes típicas antes desta extraordinária. Sua obstetra, Dra. Shweta Patel, que acompanhou a terceira gravidez de Hatcher, expressou surpresa com o desfecho desta gravidez. Tendo visto Hatcher com um único bebê em um de seus úteros anteriormente, a descoberta de dois bebês, cada um em um útero diferente, foi inesperada e medicamente notável.

Útero didelfo ocorre em cerca de 0,3% da população. Resulta da fusão inadequada dos dutos de Müller durante o desenvolvimento fetal. Enquanto indivíduos com esta condição podem ter gravidezes saudáveis, eles estão frequentemente propensos a complicações como aborto espontâneo, baixo peso ao nascer e parto prematuro. A decisão de Hatcher de fazer um ultrassom no início da gravidez, motivada por sangramento, levou à surpreendente descoberta da gravidez gemelar em seus dois úteros.

Durante o exame de ultrassom, Hatcher e sua equipe médica descobriram o segundo bebê. Dra. Patel, em uma entrevista ao Good Morning America, explicou o cenário provável: Hatcher ovulou separadamente, com um óvulo descendo por cada trompa de falópio, correspondendo a cada lado do útero. O esperma então viajou até cada útero e a fecundação ocorreu separadamente. Dr. Richard O. Davis, que co-gerenciou a gravidez, disse ao GMA que este tipo de gravidez, conhecida como gravidez dicavitária, é extremamente rara, com chances estimadas em uma em um milhão.

Em gravidezes típicas de gêmeos, os gêmeos compartilham um único útero, muitas vezes limitando espaço para cada bebê e aumentando a probabilidade de nascimento prematuro. No entanto, no caso de Hatcher, cada bebê tinha seu próprio útero, saco, placenta e cordão umbilical, proporcionando mais espaço para crescimento e desenvolvimento. Esta situação única levou a uma gravidez relativamente tranquila, com ambos os bebês tendo espaço suficiente.

Hatcher foi induzida às 39 semanas, pois não entrou em trabalho de parto espontâneo. O processo de nascimento foi distinto, envolvendo uma enfermeira de parto e nascimento para cada bebê. Ela já havia engravidado duas vezes em seu útero direito, e durante este nascimento, o bebê no útero direito tinha uma posição de cabeça mais baixa e estava progredindo mais rápido. Hatcher descreveu sentir contrações em áreas diferentes para cada bebê, às vezes não sincronizadas, mas dentro de segundos uma da outra.

Dra. Patel observou que Hatcher estava essencialmente passando por trabalho de parto em um útero enquanto simultaneamente vivenciava processos pós-parto no outro. Isso incluía ter contrações com um bebê enquanto amamentava o outro. Patel destacou isso como um exemplo da natureza imprevisível e em constante mudança da obstetrícia, onde respostas claras nem sempre estão disponíveis.

Os gêmeos, de acordo com o Dr. Davis, podem ser considerados fraternos. Ele descreveu a situação como dois bebês em uma barriga ao mesmo tempo, cada um em seus próprios “apartamentos”. Para Hatcher, o ápice desta extraordinária jornada de gravidez foi ver suas duas filhas juntas pela primeira vez, marcando um final notável para 2023.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.