Por que o Titanic não implodiu quando afundou?

por Lucas
0 comentário 717 visualizações

A trágica implosão do submarino Titan no ano passado, durante sua descida para explorar o naufrágio do Titanic, resultando na perda de todos os cinco passageiros, provocou confusão e debate generalizados. A questão central da discussão é a discrepância na capacidade de submersíveis modernos versus o naufrágio do Titanic, com um século de idade, para resistir às pressões das profundezas do mar.

O apresentador de rádio Jesse Kelly expressou a confusão predominante com um tweet: “Tenho uma pergunta realmente idiota: Se a pressão da água é tão ruim que pode esmagar um submarino como Whoopi Goldberg pisando em uma uva, como o Titanic está no fundo do mar e relativamente intacto?”

A resposta à pergunta de Kelly variou, com alguns zombando da comparação. Um médico retrucou: “Essas são as pessoas que querem debater com cientistas”.

Para esclarecer, implosões são eventos catastróficos onde estruturas colapsam para dentro devido a uma diferença significativa entre as pressões interna e externa. Arun Bansil, professor de física na Universidade Northeastern, elaborou sobre a mecânica de tais fenômenos em um artigo para a Northeastern Global News. Bansil explicou: “Quando um submersível está no fundo do oceano, ele experimenta a força em sua superfície devido à pressão da água. Quando essa força se torna maior do que a força que o casco pode suportar, o casco implode violentamente.”

Esse princípio se aplica não apenas no mar profundo, mas em qualquer situação onde há uma disparidade significativa de pressão, como criar um vácuo dentro de um tanque enquanto ele está sujeito à pressão atmosférica.

Imagine que o Titanic é como uma garrafa de refrigerante fechada e vazia que você leva para o fundo de uma piscina. Quando você desce mais fundo, a pressão da água aperta a garrafa de todos os lados. No caso do Titanic, quando ele estava afundando, a pressão da água do oceano também estava apertando o navio por todos os lados, só que muitas vezes mais.

A parte de trás do navio era mais fraca e não aguentou a pressão quando o navio estava descendo. Então, ela meio que “amassou” como a garrafa sob pressão, mas isso aconteceu a cerca de 60 metros de profundidade.

Agora, a parte interessante: enquanto o Titanic afundava, água começou a entrar nele. Essa água dentro do navio tinha a mesma pressão da água fora dele, como se você enchesse a garrafa de refrigerante com água antes de levá-la para o fundo da piscina. Quando a pressão dentro e fora da garrafa é a mesma, ela não amassa mais. Então, mesmo que a proa do Titanic tenha sofrido muitos danos, ela não ficou tão destruída como a popa, porque a pressão dentro se igualou com a pressão fora, evitando que ele “amassasse” ainda mais.

Assim, partes grandes do Titanic ainda estão lá no fundo do mar, porque essa “igualdade” de pressão ajudou a proteger o resto do navio, mesmo que ele esteja bem estragado.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.