2024 pode nos trazer as melhores auroras em 20 anos

por Junior
0 comentário 45 visualizações

As luzes do norte, ou Auroras Boreais, são um fenômeno natural espetacular tipicamente observado em regiões de alta latitude, como o Ártico e a Antártida. No entanto, observações recentes sugerem uma mudança nesse padrão. O fotógrafo americano Wesley Luginbyhl, que não havia visto as luzes do norte no Texas há três décadas, capturou-as duas vezes na primavera deste ano.

Essa ocorrência incomum foi devido a uma intensa tempestade solar, que impulsionou partículas eletricamente carregadas em alta velocidade para longe do sol, fazendo com que a aurora fosse visível em latitudes muito mais ao sul do que o normal, incluindo Virginia, Arizona e sul da Espanha e Portugal. A experiência de Luginbyhl durante um evento de abril foi notável, pois ele observou não apenas um brilho vermelho fraco, mas um horizonte repleto de cores brilhantes, incluindo azul, rosa, vermelho e verde.

Especialistas preveem um aumento na visibilidade das auroras em regiões onde elas não são normalmente observadas. Isso se deve ao Sol atingindo o pico de seu ciclo de aproximadamente 11 anos, conhecido como “máximo solar”, um período de atividade solar intensificada. O próximo pico é de particular interesse porque o último pico em 2014 foi o mais fraco em um século. Mark Miesch, um cientista pesquisador do Centro de Previsão Climática Espacial do Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) no Colorado, sugere que isso poderia resultar em algumas das auroras mais impressionantes vistas nos últimos 20 anos.

A zona da aurora boreal, também conhecida como “órbita auroral”, flutua com base na força do vento solar. Don Hampton, professor associado de pesquisa do Instituto Geofísico da Universidade do Alasca Fairbanks, explica que durante o máximo solar, a zona da aurora boreal deve se tornar mais ativa e expandir ainda mais para o sul. Isso poderia significar que regiões tão ao sul quanto o paralelo 40, que passa por Madrid central, podem testemunhar auroras durante este ciclo solar.

2024 pode nos trazer as melhores auroras em 20 anos

Ferramentas Tecnológicas para Previsão de Aurora

Com o aumento da possibilidade de auroras em locais incomuns, aplicativos de previsão de aurora tornaram-se mais relevantes. Esses aplicativos, como o Centro de Previsão Climática Espacial da NOAA, Aurora Alerts e Meu Alerta e Previsão de Aurora, fornecem previsões sobre quando e onde as luzes do norte podem ser melhor observadas. A extensão para o sul da órbita auroral após a atividade solar é um fator crítico nessas previsões. De acordo com Magnus Wik, cientista de clima espacial do Instituto Sueco de Física Espacial, as auroras são mais comuns por volta dos equinócios de março e outubro. No entanto, fatores como céu nublado ou poluição luminosa podem impedir a observação. Para mitigar os efeitos da poluição luminosa, lugares com céu escuro certificados pela DarkSky.org oferecem condições de visualização ideais.

A direção de visualização também desempenha um papel importante. No Alasca, durante uma forte tempestade solar, os observadores olham para cima ou para o sul, enquanto no Meio-Oeste ou sul da Europa, é recomendável olhar para o norte. Apesar desses avanços tecnológicos e dicas de visualização estratégica, nem todas as auroras são iguais em intensidade ou visibilidade. Miesch alerta que as auroras vistas nos Estados Unidos contíguos geralmente são menos espetaculares do que as de latitudes mais altas, normalmente se manifestando como um brilho vermelho fraco no horizonte.

Tempestades Solares e Seus Impactos na Terra

O atual ciclo solar, o Ciclo Solar 25, que começou em dezembro de 2019, deve atingir o pico mais cedo e mais forte do que o inicialmente previsto. Manchas solares, erupções solares, ejeções de massa coronal (CMEs) e manchas solares são esperadas para aumentar em frequência e força em 2024. Manchas solares, que são áreas mais escuras e mais frias na superfície solar com uma força magnética intensa, têm sido mais prevalentes neste ciclo em comparação com os recentes. Essas áreas são frequentemente os locais de erupções solares e CMEs, ambos os quais expelem energia para o espaço.

Slava Merkin, físico espacial e diretor do Centro de Estudos Geoespaciais do Laboratório de Física Aplicada da Johns Hopkins, explica que mais tempestades solares significam mais auroras frequentes, intensas e de longa duração, que podem se estender para latitudes mais baixas. As auroras resultam da interação do vento solar com a magnetosfera terrestre, uma região dominada pelo campo magnético do nosso planeta. Dois tipos de emissões de plasma do Sol, CMEs e correntes rápidas do vento solar, podem causar auroras e tempestades geomagnéticas mais fracas.

Tempestades solares não só criam exibições visuais impressionantes, mas também têm impactos significativos na Terra. Elas podem comprimir e distorcer a nossa magnetosfera, afetando tecnologias que dependem de condições atmosféricas externas. Bill Murtagh, coordenador de programa do Centro de Previsão de Clima Espacial da NOAA, observa que a atividade solar pode interromper as funções do GPS e interferir com satélites em órbita baixa. Com os níveis atuais de atividade solar mais altos do que nas últimas duas décadas e esperados para aumentar até 2024, há uma oportunidade para uma observação e compreensão mais abrangentes desses fenômenos, o que, segundo Miesch, aprimorará nossa capacidade de predizer.

Fonte: NatGeo

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.