A extinção do Ordoviciano: o primeiro contato do nosso planeta com a morte

por Lucas
0 comentário 172 visualizações

A extinção em massa do final do Ordoviciano, reconhecida como a segunda mais letal e a mais antiga de seu tipo, permanece um enigma na comunidade científica devido à sua natureza enigmática. Ao contrário de outras extinções em massa, como aquelas causadas por impactos de asteroides, o evento do final do Ordoviciano carece de evidências claras, deixando os especialistas teorizarem sobre suas causas. A explicação padrão envolve uma antiga era glacial, porém a evidência que suporta essa teoria não é direta, levando a debates contínuos e à proposta de novas teorias.

Início da Extinção do Ordoviciano

Há aproximadamente 444 milhões de anos, no fim do Período Ordoviciano, o planeta experimentou seu primeiro grande evento de extinção. A vida na Terra naquela época era predominantemente formas simples como bactérias e archaea, que existiam há cerca de 3 bilhões de anos. Em contraste, a vida complexa havia começado a florescer recentemente. O Ordoviciano seguiu o Período Cambriano, conhecido pela “Explosão Cambriana”, um evento evolutivo significativo que encheu o mundo com quase todos os filos animais modernos. Este período viu uma rápida diversificação e crescimento de vários grupos taxonômicos, como vertebrados, moluscos e artrópodes, que continuaram até seu declínio abrupto.

Durante esta era, a maior parte das massas terrestres da Terra estava unida no supercontinente Gondwana, posicionado sobre o Polo Sul, semelhante à Antártida moderna. O hemisfério norte continha continentes menores como Laurentia e Baltica, localizados em zonas tropicais e temperadas. A vida terrestre estava começando a surgir, mas a maioria da biodiversidade estava debaixo d’água, onde espécies como trilobitas e corais prosperavam.

Causas Teóricas da Extinção

A explicação predominante para a extinção em massa envolve duas fases principais. Inicialmente, geleiras engolfaram Gondwana, levando a uma queda dramática nas temperaturas globais e nos níveis do mar. Essa mudança dizimou muitos habitats de águas rasas vitais para a vida marinha. Após isso, as geleiras derreteram, causando o aquecimento do planeta e a elevação dos níveis do mar novamente. Espécies que haviam se adaptado ao clima mais frio lutaram para evoluir rapidamente o suficiente para sobreviver a essas mudanças rápidas.

A causa exata da glaciação inicial permanece incerta. Algumas teorias sugerem que a meteorização de rochas silicáticas, particularmente nas montanhas Apalaches em ascensão, poderia ter reduzido o dióxido de carbono atmosférico, baixando assim as temperaturas globais. Outras hipotetizam que a expansão das plantas desempenhou um papel ao absorver gases de efeito estufa e acelerar a meteorização das rochas. Uma teoria alternativa propõe que um surto de raios gama poderia ter contribuído para a glaciação ao criar uma neblina que bloqueou a luz solar.

Pesquisas recentes desafiam a noção de que o resfriamento foi a única causa das extinções. Um estudo de 2015 por Thijs Vandenbroucke e colegas encontrou evidências de mudanças na química oceânica impactando a vida. Eles descobriram plâncton fossilizado com deformidades datando do evento, indicando que a liberação de metais tóxicos como ferro e chumbo das profundezas oceânicas pode ter desempenhado um papel significativo na grande mortandade.

Asaphida fossilizada no Museu Nacional de Natureza e Ciência de Tóquio. (Crédito: Sarunyu L/Shutterstock)

Asaphida fossilizada no Museu Nacional de Natureza e Ciência de Tóquio. (Crédito: Sarunyu L/Shutterstock)

Algumas descobertas recentes também apontam para o vulcanismo como uma causa potencial. Embora climas de resfriamento sejam menos comumente associados a extinções em massa, a atividade vulcânica levando ao aquecimento global é um catalisador bem aceito para outras grandes mortandades. Depósitos de mercúrio da era, um indicativo de erupções vulcânicas, foram encontrados, sugerindo uma possível ligação com o vulcanismo na extinção do Ordoviciano.

Impacto Seletivo e Sobrevivência de Espécies

Apesar da escala da extinção, seu impacto na trajetória evolutiva da vida na Terra foi menos significativo em comparação com outros eventos de extinção em massa. O evento do Ordoviciano eliminou 85% de todas as espécies, mas apenas 60% dos gêneros e 25% das famílias. A sobrevivência de alguns membros na maioria das famílias permitiu que a vida continuasse relativamente inalterada. Em contraste, a extinção do Cretáceo-Paleógeno, que ocorreu mais tarde, teve um impacto mais profundo ao eliminar ordens taxonômicas superiores, incluindo os dinossauros dominantes, levando a uma reorganização significativa da vida na Terra.

A extinção do Ordoviciano, apesar de sua severidade, não mirou seletivamente grupos específicos sobre outros, ao contrário de muitos outros eventos de extinção onde a sobrevivência dependia de traços biológicos específicos ou adaptações ambientais. Essa natureza não seletiva significou que nenhum grupo taxonômico importante, comparável aos dinossauros em extinções posteriores, foi completamente erradicado. Como resultado, o evento não deixou uma marca distinta no caminho evolutivo da vida, em contraste com extinções que visaram seletivamente certos grupos, segundo o Discover Magazine.

Entre as espécies que sofreram estavam a família de trilobitas asaphida, conhecida por seus distintos olhos pedunculados, e graptólitos, pequenos animais coloniais que viviam em esqueletos compartilhados. Corais, briozoários, braquiópodes e conodontes também enfrentaram perdas significativas. No entanto, a extinção não discriminou pesadamente entre diferentes espécies, levando a um impacto mais uniforme em vários táxons.

A falta de seletividade na extinção em massa do final do Ordoviciano é refletida no registro fóssil pós-extinção, que mostra padrões ecológicos semelhantes aos de antes do evento. Essa continuidade sugere que, embora a extinção tenha sido severa em termos do número de espécies perdidas, ela não alterou significativamente a estrutura ecológica da fauna sobrevivente. A persistência da maioria dos grupos taxonômicos de alto nível, que eram geograficamente difundidos, garantiu a continuação do quadro evolutivo existente. Em regiões onde ocorreram catástrofes ecológicas, parentes das espécies afetadas em outras áreas continuaram a prosperar, mantendo o equilíbrio geral da vida.

Consequências Evolutivas e Continuidade da Vida

Esse padrão contrasta com outras extinções em massa, onde a eliminação de táxons específicos levou a mudanças drásticas na paisagem ecológica e evolutiva. Por exemplo, a extinção do Permiano, conhecida como a “Grande Morte”, resultou em oceanos ácidos que corroeram as conchas calcificadas de muitos organismos marinhos, afetando seletivamente aqueles com tais conchas e poupando outros. No evento do final do Ordoviciano, no entanto, a localização das espécies parece ter desempenhado um papel mais crucial do que suas características biológicas.

O impacto relativamente uniforme da extinção do final do Ordoviciano também é evidente na forma como afetou a escada taxonômica. Embora tenha eliminado um número significativo de espécies, teve um impacto muito menor nas categorias taxonômicas superiores de gêneros e famílias. Este padrão indica que, embora espécies individuais tenham sido perdidas, os grupos mais amplos aos quais pertenciam sobreviveram em grande parte. Essa sobrevivência em níveis taxonômicos superiores significou que a estrutura fundamental da vida permaneceu amplamente intacta, permitindo a continuação das tendências evolutivas existentes.

Paleobiólogos especializados no período Ordoviciano, como Seth Finnegan da Universidade da Califórnia, Berkeley, enfatizam a necessidade de conhecimento especializado para discernir o limite entre o Ordoviciano e o subsequente período Siluriano no registro fóssil. A semelhança no registro fóssil antes e depois do evento de extinção destaca o impacto limitado da extinção na diversidade e estrutura geral da vida.

Em resumo, a extinção em massa do final do Ordoviciano, apesar de ser uma das mais severas na história da Terra, não alterou significativamente o curso da evolução. Seu impacto foi amplo em várias espécies, mas não discriminou pesadamente entre diferentes grupos, permitindo que a estrutura fundamental da vida permanecesse em grande parte inalterada. As teorias em torno de suas causas – desde o resfriamento climático devido à glaciação até a atividade vulcânica e mudanças na química oceânica – refletem a investigação científica contínua sobre esse evento antigo. A natureza não seletiva da extinção e a sobrevivência de níveis taxonômicos superiores garantiram a continuidade da trajetória evolutiva da vida, tornando a extinção do final do Ordoviciano um evento único na história da Terra.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.