Onda de gás venenoso pode ter extinguido metade de toda a vida marinha na 1ª extinção em massa da Terra

por Lucas
0 comentário 27 visualizações Fósseis em rocha

Há cerca de 530 milhões de anos atrás, durante o período Cambriano, ocorreu um evento evolutivo significativo conhecido como a explosão Cambriana. Esse período marcou um aumento dramático na diversidade de vida na Terra, especialmente nos oceanos. O registro fóssil dessa era mostra uma variedade notável de animais marinhos, incluindo o surgimento da maioria dos grandes grupos animais que conhecemos hoje.

Os oceanos do período Cambriano abrigavam uma variedade de criaturas únicas e agora extintas. Entre elas estavam os trilobitas, conhecidos por seus corpos blindados distintos e estavam entre os animais mais bem-sucedidos da época, existindo em várias formas. Havia também camarões grandes, com cerca de um metro de comprimento, que faziam parte do rico e diverso ecossistema marinho. Além disso, os mares abrigavam vermes com espinhos perigosos, indicativos das cadeias alimentares diversas e complexas que existiam naquele tempo.

Apesar dessa explosão de vida, o registro fóssil indica um grande evento de extinção que ocorreu há cerca de 550 milhões de anos. Esse evento levou ao dizimação de aproximadamente 45% de todas as espécies de animais marinhos. Esse evento de extinção é notável pela sua escala e seu impacto na biodiversidade dos oceanos.

O que causou a extinção em massa?

Por muitos anos, cientistas teorizaram sobre as causas dessa extinção em massa. Uma visão comum era que a mortandade foi principalmente devido à propagação de condições anóxicas nos oceanos. Anoxia refere-se à falta de oxigênio na água, o que pode ser prejudicial à vida marinha. Uma hipótese sugerida era que a explosão de vida durante o período Cambriano levou a uma quantidade significativa de matéria orgânica no fundo do mar. À medida que essa matéria orgânica se decomponha, ela consumia grandes quantidades de oxigênio, esgotando assim o oxigênio disponível na coluna de água.

No entanto, pesquisas recentes propuseram uma explicação alternativa para essa extinção em massa. Um estudo publicado em outubro na revista Geophysical Research Letters introduziu a ideia de que o sulfeto de hidrogênio pode ter desempenhado um papel significativo nesse evento. O sulfeto de hidrogênio é um gás tóxico, letal para a vida marinha, e os pesquisadores sugerem que um aumento desse gás poderia ter sido um fator importante no evento de extinção.

A equipe de pesquisa, incluindo o geoquímico Chao Chang da Universidade do Noroeste em Xi’an, China, investigou o registro geológico do Cambriano da Plataforma Yangtze no sul da China. Essa área, agora um grande planalto, era outrora submersa sob o oceano. A investigação da equipe concentrou-se no molibdênio, um elemento químico encontrado em rochas terrestres que é transportado para o oceano pelos rios. O molibdênio é conhecido por sua estabilidade ao longo de longos períodos e suas concentrações variáveis em sedimentos oceânicos, que podem indicar diferentes condições de química da água.

Gás venenoso

As descobertas da equipe mostraram altos níveis de molibdênio em amostras do período da extinção em massa. Isso sugeriu a presença de sulfeto de hidrogênio na água, já que o molibdênio pode combinar com o enxofre para formar compostos que são depositados nos sedimentos. Esses compostos são formados em uma taxa maior em águas com altas concentrações de sulfeto de hidrogênio.

A geração de sulfeto de hidrogênio nos oceanos pode ser atribuída à atividade de micróbios. Quando a matéria orgânica se decompõe, cria um ambiente onde os micróbios podem prosperar. Estes micróbios consomem sulfato naturalmente presente na água do mar. Durante esse processo, os micróbios convertem sulfato em sulfeto de hidrogênio. Assim, a decomposição de grandes quantidades de matéria orgânica poderia ter levado a um aumento na atividade microbiana, resultando em uma maior concentração de sulfeto de hidrogênio na água.

Chang e sua equipe teorizam que a propagação de águas sulfídicas e o aumento resultante em sulfeto de hidrogênio podem ter sido ligados às condições anóxicas iniciais causadas pela decomposição da matéria orgânica. Essa decomposição teria fornecido uma fonte rica de nutrientes para os micróbios, exacerbando ainda mais as condições.

Embora a pesquisa tenha sido baseada em amostras do que agora é a China, os cientistas acreditam que esse fenômeno provavelmente foi um evento global. O molibdênio tem um longo tempo de residência no oceano, o que implica que ele teria sido bem misturado em todo o oceano antes de ser removido. Portanto, os níveis de isótopos de molibdênio em uma área específica de sedimento oceânico provavelmente refletem as condições médias de todo o oceano.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.