Fim das espinhas? Bactérias responsáveis pela acne foram geneticamente modificadas para tratá-la

por Lucas
0 comentário

Cutibacterium acnes, comumente encontrado na pele humana, tem sido foco de recentes pesquisas científicas devido ao seu papel duplo tanto na causa quanto no potencial tratamento da acne. Esta bactéria é conhecida por sua abundância na pele e seu envolvimento no desenvolvimento da acne. Pesquisadores descobriram uma maneira de modificar geneticamente o C. acnes para produzir e secretar uma molécula que, em experimentos celulares, mostrou capacidade de reduzir o acúmulo de sebo.

Sebo, uma substância oleosa, desempenha um papel crucial na formação da acne. Pode bloquear os poros quando produzido excessivamente, combinando-se com células mortas da pele e levando à acne. O C. acnes prospera alimentando-se de sebo, o que pode exacerbar a inflamação associada à acne. No entanto, também é essencial para manter a pele saudável, produzindo lipídios que suportam a barreira protetora da pele. A bactéria reside profundamente dentro dos folículos capilares, perto do ponto de liberação do sebo.

Uma abordagem inovadora para tratar a acne foi proposta por Nastassia Knödlseder, uma bióloga sintética da Universidade Pompeu Fabra em Barcelona, e sua equipe. Eles se concentraram em modificar o C. acnes para criar uma terapia tópica. Isso contrastava com os tratamentos atuais para acne grave, que podem prejudicar bactérias benéficas (como no caso de antibióticos) ou causar efeitos colaterais graves (como com isotretinoína, um medicamento comumente usado).

Isotretinoína funciona ativando um gene que codifica NGAL (lipocalina associada à gelatinase de neutrófilos), uma proteína que sinaliza aos sebócitos (tecidos produtores de óleo) para morrer. A equipe de pesquisa visou replicar esse mecanismo sem os efeitos adversos, projetando o C. acnes para produzir NGAL.

Anteriormente, modificar o C. acnes era desafiador devido à sua resistência em incorporar novo DNA, um processo conhecido como transformação. Esse processo é crucial para a engenharia de bactérias para sintetizar proteínas que não produzem naturalmente. Para superar isso, a equipe de Knödlseder experimentou com vários buffers para melhorar a entrega de DNA às células de C. acnes, criando com sucesso uma cepa capaz de produzir NGAL.

Em testes laboratoriais, essa cepa de C. acnes secretora de NGAL foi aplicada a sebócitos cultivados em laboratório. O resultado foi uma redução significativa nos níveis de sebo, observada como uma diminuição de duas vezes após 48 horas. Experimentos com camundongos demonstraram ainda que o C. acnes modificado produziu NGAL de 2 a 4 dias após a aplicação na pele, com as bactérias localizando-se profundamente dentro dos folículos capilares. Importante, não houve indicação de aumento da inflamação após o tratamento.

A pesquisa destaca o potencial de usar bactérias residentes na pele como uma ferramenta terapêutica. Knödlseder explicou que eles projetaram uma bactéria que vive naturalmente na pele para produzir o que a pele precisa para eliminar a acne.

No entanto, os pesquisadores reconhecem diferenças entre a pele de camundongos e humanos, que podem impactar a aplicabilidade de suas descobertas para pacientes humanos. A pele do camundongo é mais frouxa, mais fina e tem mais folículos capilares em comparação com a pele humana. Portanto, eles enfatizam a necessidade de futuros estudos clínicos para avaliar a eficácia e segurança dessa cepa projetada em humanos. Esses estudos determinariam seu papel potencial no tratamento de distúrbios da pele ou no suporte à saúde geral da pele.

O estudo, detalhando essas descobertas e experimentos, foi publicado na revista Nature Biotechnology.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.