A Mancha Negra: Por que esta misteriosa gosma preta assola a Venezuela há quase 40 anos?

por Lucas
0 comentário 247 visualizações

La Mancha Negra, um fenômeno que surgiu em Caracas, Venezuela, em meados da década de 1980, apresenta um caso único e intrigante em estudos urbanos e ambientais. Essa ocorrência enigmática, também conhecida como “O Ponto Negro” ou “O Misterioso Lodo Negro”, chamou a atenção pela primeira vez quando uma substância negra e pegajosa apareceu em uma rodovia principal que conecta Caracas ao Aeroporto Internacional Simón Bolívar. A substância, semelhante a um lodo preto espesso com a consistência de chiclete, foi notada pela primeira vez por trabalhadores rodoviários em 1986. O Chicago Tribune, em um relatório de cerca de 1992, descreveu o fenômeno em detalhes, notando sua rápida propagação por uma área de oito milhas da rodovia.

O impacto de La Mancha Negra foi significativo e alarmante. Relatos sugerem que, desde sua aparição inicial em meados da década de 1980 até o início dos anos 1990, foi responsável por inúmeros acidentes rodoviários, com alegações de até 1.800 fatalidades. Esses números, no entanto, não são atribuídos a uma fonte direta. A natureza contraditória da substância – sendo pegajosa e ao mesmo tempo escorregadia – representava um grave risco para os motoristas. Um motorista de táxi local, falando ao Tribune, comparou a experiência de dirigir sobre essa substância a “dirigir em um grande prêmio”.

Os esforços para remover La Mancha Negra envolveram vários métodos, incluindo lavadoras de alta pressão, raspadores, detergentes e calcário pulverizado. Embora esses esforços tenham levado a um breve desaparecimento do lodo no final dos anos 1990, ele ressurgiu em 2001. Durante esse período, o Courrier International, através do El Nacional da Venezuela, relatou que o lodo negro atingiu espessuras de quase 2,5cm em alguns lugares.

Após seu ressurgimento no início dos anos 2000, o rastro de informações na internet sobre La Mancha Negra se torna escasso. No entanto, as teorias sobre sua origem e composição têm sido objeto de debate entre especialistas. Duas teorias principais foram propostas: o uso de asfalto de qualidade inferior e a infiltração de óleo de reservas subterrâneas.

Reinaldo Gonzalez, Ph.D., um professor adjunto na Universidade de Houston no departamento de engenharia de petróleo, que trabalhou e lecionou em Caracas durante o aparecimento original de La Mancha Negra, especulou sobre a causa. Sua teoria, conforme relatado à Popular Mechanics, centrava-se na qualidade do asfalto. Gonzalez lembrou que La Mancha Negra apareceu em asfalto tratado com emulsificantes, projetados para imitar as características do asfalto regular, mas com custos reduzidos e outras vantagens químicas. Ele sugeriu que as fases do asfalto tratado se separaram, com uma delas emergindo à superfície e criando uma mancha negra e ligeiramente gordurosa nas estradas.

Ramanan Krishnamoorti, Ph.D., professor de engenharia química e de petróleo na Universidade de Houston, concordou com a avaliação de Gonzalez sobre a probabilidade de infiltração de óleo. Krishnamoorti explicou que o vazamento de um reservatório subterrâneo normalmente ocorreria em um único ponto de falha e seria improvável que se espalhasse por uma extensão de 12 quilômetros da estrada. Além disso, óleos pesados geralmente se assentariam e não se infiltrariam na superfície. Ele postulou que um lote ruim de asfalto era a causa mais provável, um consenso entre muitos especialistas.

No entanto, Krishnamoorti também reconheceu a estranheza da situação, mesmo que o asfalto ruim fosse o culpado. Ele observou que a degradação do asfalto em uma atmosfera prístina é incomum. Ele sugeriu que o lote específico poderia ter contido resíduos ou produtos químicos adicionais que reagiram com base em algum gatilho atmosférico. Ele destacou que altas temperaturas poderiam facilitar o florescimento líquido, embora bom asfalto também pudesse se tornar pegajoso em altas temperaturas. Caracas, embora não seja tão quente quanto algumas regiões como a Índia, onde calçadas derretendo foram relatadas, mantém uma temperatura média ao longo do ano, que poderia potencialmente contribuir para o fenômeno.

Ao abordar o desafio de remover o asfalto, Krishnamoorti apontou a dificuldade do processo, especialmente à luz de fatores ambientais como a chuva. Ele afirmou que a remoção de asfalto é demorada e requer quase uma escavação completa, levando à perda da estrada e necessitando de sua completa reimplantação.

A resolução final de La Mancha Negra permanece um mistério. No entanto, especula-se que um deslizamento de terra no final dos anos 1990, que exigiu a construção de novas rodovias em Caracas, pode ter desempenhado um papel em seu desaparecimento. Apesar da falta de uma conclusão definitiva, Gonzalez afirmou que La Mancha Negra não é mais um problema atual em Caracas.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.