Assim é viver com temperaturas de -50 ºC em Yakutsk, uma das cidades mais geladas do planeta

por Lucas
0 comentário

Yakutsk, uma mistura única de história antiga e modernidade, ergue-se orgulhosamente às margens do rio Lena, no leste da Sibéria. Esta cidade não é apenas um centro de pesquisa acadêmica e científica, mas também uma guardiã da história. O Museu do Mamute em Yakutsk é um testemunho disso, abrigando fósseis antigos dos mamutes de longos cabelos, uma espécie majestosa que vagava pela terra há milênios. Imagine a experiência impressionante de estar na presença desses gigantes pré-históricos!

Aprofundando-se nas maravilhas de Yakutsk, o Instituto de Permafrost Melnikov oferece uma viagem extraordinária subterrânea. Aqui, em um túnel que parece quase outro mundo, o passado é preservado no permafrost. Este túnel é uma cápsula do tempo congelada, protegendo um mamute bebê e outros relicários da Era do Gelo, incluindo mamutes e rinocerontes. Estes tesouros, também exibidos no Museu Cultural e Histórico dos Povos do Norte, proporcionam um vislumbre fascinante de um mundo há muito desaparecido.

Yakutsk, no entanto, é mais do que apenas um repositório de maravilhas antigas. É uma cidade viva e respiratória, com sua própria universidade, museu e estação meteorológica, todos dedicados ao estudo do clima extremo que caracteriza esta região. Os padrões climáticos de Yakutsk são um estudo em contrastes: invernos frios e cortantes dão lugar a verões quentes e úmidos, um testemunho de sua localização no coração da Iacútia.

Enfrentando o Frio Siberiano

O clima da cidade é uma história de extremos, particularmente no inverno. Janeiro vê as temperaturas despencarem para uma média de -42,9 °C, um lembrete gritante da proximidade de Yakutsk com alguns dos lugares habitados mais frios da Terra, como Verchojansk, Ust’ Nera e Ojmjakon. O recorde de baixa, um quase inimaginável -64,4 °C, foi estabelecido em fevereiro de 1891, mostrando a dura realidade de viver em um clima tão extremo, segundo o Meteored.

Com a chegada do verão, Yakutsk se transforma. Julho traz uma temperatura média de +18,9 °C, um alívio bem-vindo do frio cortante. Mas é também quando Yakutsk experimenta suas temperaturas mais baixas, devido a uma densa camada de “frio lacustre” perto do solo nevado. Este fenômeno, aliado à limitada circulação de ar e céus limpos, leva a inversões térmicas severas, derrubando as temperaturas bem abaixo de -40 °C.

Esta dramática oscilação de temperatura é ainda mais acentuada por uma espessa e congelante neblina que frequentemente envolve a cidade, reduzindo a visibilidade a meros metros. Estas condições não são apenas fenômenos meteorológicos, mas um aspecto definidor da vida em Yakutsk, moldando a cultura, a arquitetura e a vida cotidiana de seus habitantes.

Assim é viver com temperaturas de -50 ºC em Yakutsk, uma das cidades mais geladas do planeta

Sobrevivendo ao Inverno Siberiano

O período entre o final de dezembro e o início de janeiro marca o mínimo térmico anual, um momento em que as grandes extensões da Eurásia experimentam suas temperaturas mais frias devido ao mínimo de luz solar. É um período em que quebrar a barreira dos -60°C se torna mais comum na Sibéria, uma região sinônimo de frio extremo. Em Yakutsk e outras cidades siberianas, as temperaturas frequentemente caem abaixo de -50°C, um lembrete impressionante da incrível resiliência necessária para prosperar em tal ambiente.

A vida em Yakutsk é profundamente influenciada pelo seu clima extremo. Os residentes de Yakutsk desenvolveram maneiras únicas de se adaptar e prosperar sob condições que muitos considerariam inóspitas.

Adaptações Arquitetônicas: As casas e edifícios em Yakutsk são especialmente projetados para suportar as temperaturas extremamente baixas. Muitos são construídos em estacas para evitar que o calor do interior derreta o permafrost, o que poderia causar o afundamento das estruturas. As janelas são frequentemente feitas com vidros triplos ou quádruplos para melhor isolamento.

Vestuário Especializado: Os moradores usam roupas extremamente isolantes. Casacos de pele, luvas, botas de pele de rena e chapéus de pele são comuns. Essas roupas são projetadas não apenas para reter o calor, mas também para bloquear o vento frio e permitir a atividade ao ar livre, mesmo em temperaturas extremamente baixas.

Transporte: O transporte em Yakutsk é adaptado para o frio extremo. Os carros são equipados com características especiais, como aquecedores de motor e baterias reforçadas, para operar eficientemente nas baixas temperaturas. Além disso, muitos moradores mantêm seus veículos funcionando por longos períodos para evitar que o motor congele.

Dieta e Culinária: A dieta em Yakutsk é rica em carnes e peixes, muitas vezes consumidos em formas preservadas como secas ou congeladas, devido à dificuldade de cultivar vegetais frescos em tal clima. Pratos como o “stroganina”, peixe ou carne crua congelada finamente fatiada, são populares.

Atividades de Lazer: Apesar do frio, os habitantes de Yakutsk aproveitam o inverno para atividades como esqui, patinação no gelo e pesca no gelo. Festivais de inverno e celebrações são comuns, aproveitando a neve e o gelo como recursos para entretenimento e arte.

Redes de Aquecimento Centralizado: A cidade possui sistemas de aquecimento centralizado robustos para manter os ambientes interiores aquecidos durante os longos meses de inverno.

Educação e Comunidade: As escolas frequentemente ensinam sobre como viver em um clima tão extremo, e a comunidade como um todo compartilha uma forte sensação de resiliência e adaptabilidade. A união e o apoio mútuo são vitais para sobreviver e prosperar em tais condições extremas.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.