Até que temperatura o corpo humano pode sobreviver?

por Lucas
0 comentário

Uma pesquisa revelou informações críticas sobre as consequências das mudanças climáticas na saúde humana, especificamente em relação ao conceito de “temperatura de bulbo úmido”. Este termo é essencial para entender os limites da resistência humana em condições extremas de calor. A “temperatura de bulbo úmido” é uma medida que combina temperatura e umidade, indicando quão eficientemente o suor pode evaporar da pele para resfriar o corpo. Quando esse limite é ultrapassado, os mecanismos naturais de resfriamento do corpo falham, levando a condições potencialmente fatais como insolação e falência de órgãos.

Historicamente, uma temperatura de bulbo úmido de 35 graus Celsius com 100% de umidade era considerada o limite superior para a sobrevivência humana. No entanto, pesquisas recentes desafiam esse limiar, sugerindo que ele pode ser mais baixo. Experimentos na Universidade Estadual da Pensilvânia, por exemplo, identificaram um “limite ambiental” em uma temperatura de bulbo úmido de 30,6 graus Celsius, mais baixo do que se acreditava anteriormente. Este achado sugere que o corpo humano pode atingir temperaturas centrais perigosamente altas dentro de 5 a 7 horas sob essas condições.

Colin Raymond, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, indica que os casos de temperatura de bulbo úmido atingindo 35 graus Celsius foram raros, com apenas cerca de uma dúzia de ocorrências, principalmente no Sul da Ásia e no Golfo Pérsico. Esses eventos normalmente não duraram mais de duas horas, o que impediu uma mortalidade generalizada. No entanto, a frequência desses eventos dobrou nos últimos 40 anos, uma tendência que Raymond atribui às mudanças climáticas.

Além dessas condições extremas, mesmo níveis mais baixos de calor e umidade podem representar riscos significativos, especialmente para populações vulneráveis. O texto cita o exemplo da Europa, onde mais de 61.000 pessoas morreram durante uma onda de calor de verão, mesmo que os níveis de umidade não tenham atingido as temperaturas extremas de bulbo úmido. Isso sugere que limiares mais baixos ainda podem ter efeitos devastadores, especialmente em certas demografias, como crianças pequenas e idosos, que têm uma capacidade reduzida de regular a temperatura corporal.

A pesquisa enfatiza que os limiares individuais de tolerância ao calor variam amplamente, influenciados por fatores como idade, saúde e status socioeconômico. Por exemplo, indivíduos mais velhos costumam ter menos glândulas sudoríparas, enquanto as crianças têm uma capacidade reduzida de regular a temperatura corporal. Essa variabilidade significa que algumas populações são mais suscetíveis a problemas de saúde relacionados ao calor. Além disso, aqueles que trabalham ao ar livre ou não têm acesso a espaços com refrigeração enfrentam riscos aumentados. Fatores socioeconômicos também desempenham um papel, pois o acesso limitado a recursos como água e instalações de resfriamento pode exacerbar os perigos.

A pesquisa de Raymond também conecta temperaturas de bulbo úmido com outros fenômenos climáticos, como eventos de El Niño e aumento das temperaturas da superfície do oceano. O observatório climático da União Europeia relatou que os oceanos do mundo atingiram uma temperatura recorde, superando o recorde anterior estabelecido em 2016.

Altas temperaturas afetam o corpo humano de várias maneiras. O corpo se esforça para manter uma temperatura interna de cerca de 37°C, usando mecanismos como a transpiração e o aumento do fluxo sanguíneo para a pele. No entanto, esses mecanismos podem ser insuficientes em calor extremo, levando à desidratação e superaquecimento. As doenças relacionadas ao calor podem variar de cãibras e exaustão pelo calor até insolação, uma condição potencialmente fatal onde a regulação da temperatura do corpo falha.

A tensão cardiovascular é outra preocupação, pois o coração trabalha mais para resfriar o corpo em altas temperaturas. Desafios respiratórios também são notáveis, especialmente em condições úmidas, que podem exacerbar dificuldades respiratórias para indivíduos com condições como asma ou DPOC. Prejuízos cognitivos, como confusão e redução da concentração, são efeitos adicionais do calor extremo.

Estresse renal e desequilíbrio eletrolítico são outras questões potenciais. Os rins trabalham mais para manter o equilíbrio de fluidos em condições quentes, e a transpiração leva à perda não apenas de fluidos, mas também de sais e minerais essenciais. Irritações cutâneas, incluindo erupções causadas pelo calor, podem surgir devido à transpiração excessiva.

Diante desses efeitos, o estudo ressalta a importância de tomar precauções em calor extremo. Estas incluem manter-se hidratado, usar roupas apropriadas, buscar sombra ou ambientes com ar-condicionado e evitar atividades extenuantes durante as partes mais quentes do dia.

O outro extremo

hipotermiaAgora falando de temperaturas muito frias, a capacidade do corpo humano de sobreviver varia significativamente com base em vários fatores, incluindo vestuário, condição física e a presença de umidade ou vento. Por exemplo, o vento pode remover a camada de ar aquecido que isola a pele, acelerando a perda de calor do corpo. No entanto, certos limiares gerais são reconhecidos no contexto da hipotermia, a condição em que o corpo perde calor mais rápido do que pode produzi-lo, levando a uma queda na temperatura central do corpo.

Sob circunstâncias normais, o corpo humano mantém uma temperatura central em torno de 37°C. A hipotermia começa a se instalar quando a temperatura central do corpo cai abaixo de 35°C. A gravidade da hipotermia é frequentemente classificada em três estágios: leve, moderada e grave.

A hipotermia leve ocorre com temperaturas centrais entre 32°C a 35°C. Os sintomas incluem tremores, aumento da frequência cardíaca e respiração mais rápida. A acuidade mental começa a diminuir, levando a julgamento e coordenação pobres.

A hipotermia moderada é quando a temperatura central do corpo cai entre 28°C a 32°C. Os tremores geralmente param nesta fase, e o risco de complicações cardíacas aumenta. O indivíduo pode exibir confusão, fala arrastada e falta de coordenação.

A hipotermia grave se instala abaixo de 28°C. Esta fase é potencialmente fatal e pode levar à inconsciência, um pulso fraco ou irregular e insuficiência respiratória. Sem intervenção médica imediata, a hipotermia grave pode levar à morte.

A taxa na qual a hipotermia se desenvolve depende da temperatura ambiental e de fatores individuais. Por exemplo, a imersão em água fria acelera a perda de calor muito mais rápido do que a exposição ao ar frio. O vento também pode aumentar significativamente a taxa de perda de calor.

A sobrevivência em temperaturas frias não é apenas sobre a temperatura do ar, mas também sobre o quão preparado um indivíduo está.  Isolamento adequado através de roupas, permanecer seco e ter acesso a uma fonte de calor são fatores críticos para determinar quão bem uma pessoa pode resistir a ambientes frios.

Geralmente se considera que o risco de hipotermia aumenta à medida que a temperatura cai abaixo de 10°C, especialmente se a pessoa não estiver adequadamente agasalhada ou se estiver molhada. Em ambientes muito frios, mesmo temperaturas acima de 0°C podem levar à hipotermia se a exposição for prolongada e não houver proteção adequada contra o frio.

Fonte: Earth, NHS

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.