Mais de 100 espécies nunca antes vistas descobertas em cordilheira do fundo do mar

por Lucas
0 comentário 243 visualizações

Uma recente expedição liderada pelo Dr. Javier Sellanes da Universidad Católica del Norte, sob os auspícios do Schmidt Ocean Institute, revelou a potencial descoberta de mais de 100 novas espécies ao longo de uma cadeia de montanhas submarinas perto do Chile. Esta equipe internacional de pesquisadores concentrou sua atenção nos montes submarinos na costa do Chile, revelando uma abundância significativa de vida nessas regiões anteriormente pouco exploradas.

A área de estudo abrangeu a Dorsal de Nazca e Salas y Gómez, uma extensa cadeia de montanhas submarinas de 2.900 quilômetros que se estende desde a costa do Chile até a Rapa Nui, conhecida globalmente como Ilha de Páscoa. Esta região é caracterizada por mais de 200 montes submarinos, cada um abrigando ecossistemas únicos, alguns dos quais são considerados vulneráveis devido às suas composições ecológicas, como recifes de corais de águas profundas e jardins de esponjas.

Mais de 100 espécies nunca antes vistas descobertas em cordilheira do fundo do mar

Durante a expedição, os pesquisadores utilizaram um robô submarino avançado capaz de alcançar profundidades de até 4.500 metros. Essa tecnologia desempenhou um papel crucial na coleta de dados de dez montes submarinos, informações que devem contribuir significativamente para os esforços de conservação marinha do Chile.

Entre as descobertas, a equipe identificou uma diversidade de espécies, incluindo vários tipos de corais, esponjas de vidro, ouriços-do-mar, anfípodes e lagostas.

A expedição também explorou duas das áreas marinhas protegidas do Chile, os parques marinhos Juan Fernandez e Nazca-Desventuradas, enfatizando ainda mais a significância dessas zonas na proteção da vida marinha.

Mais de 100 espécies nunca antes vistas descobertas em cordilheira do fundo do mar

O Dr. Sellanes expressou entusiasmo sobre os resultados da expedição, afirmando: “Superamos em muito nossas esperanças nesta expedição. Você sempre espera encontrar novas espécies nessas áreas remotas e pouco exploradas, mas a quantidade que encontramos, especialmente para alguns grupos como esponjas, é impressionante”. Ele também observou a eficácia dos parques marinhos na proteção desses ecossistemas.

A Dra. Jyotika Virmani, Diretora Executiva do Schmidt Ocean Institute, comentou sobre a natureza de longo prazo da identificação de espécies, enfatizando a contribuição da expedição para o entendimento da biodiversidade nesta região menos conhecida. Ela comentou: “A identificação completa das espécies pode levar muitos anos, e o Dr. Sellanas e sua equipe têm um número incrível de amostras deste ponto de biodiversidade incrivelmente belo e pouco conhecido.”

A comunidade científica aguarda análises adicionais e estudos genéticos dos espécimes coletados para confirmar a descoberta de novas espécies e aprofundar nosso entendimento desses ecossistemas marinhos únicos.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.