Atividades humanas levaram quase 1.400 espécies de aves à extinção

por Lucas
1 comentário 39 visualizações

Um recente estudo conduzido pelo Centro de Ecologia e Hidrologia do Reino Unido (UKCEH) lançou nova luz sobre o impacto que os humanos tiveram na extinção de espécies de aves.

Historicamente, a extinção de espécies de aves tem sido motivo de preocupação, mas os novos achados sugerem um cenário muito mais alarmante do que se reconhecia anteriormente.

O Dr. Rob Cooke, um modelador ecológico no UKCEH, destaca o papel significativo que as atividades humanas desempenharam neste declínio. As atividades incluem destruição de habitat, caça excessiva e introdução de espécies invasoras como ratos, porcos e cachorros. Essas espécies invasoras competiram diretamente com as populações de aves nativas por comida e destruíram seus locais de nidificação.

Os pesquisadores utilizaram modelagem estatística para estimar o número de extinções de aves não descobertas. Seus achados indicam que desde o Pleistoceno Tardio, há cerca de 130.000 anos, aproximadamente 1.430 espécies de aves se tornaram extintas. Esse número representa quase 12% de todas as espécies de aves e representa uma perda significativa de diversidade aviária. O estudo sublinha que a maioria dessas extinções é diretamente ou indiretamente atribuível às ações humanas. Ele aponta que muitas espécies desapareceram antes do início dos registros escritos e, portanto, não deixaram vestígios na história.

Registros Fósseis e Estimativas de Extinção

A dependência de fósseis para entender a história das espécies de aves tem sido um aspecto crítico desta pesquisa. No entanto, o estudo reconhece as limitações dos registros fósseis, principalmente devido à natureza frágil dos ossos leves das aves, que tendem a se desintegrar com o tempo. Isso historicamente ocultou a verdadeira extensão das extinções globais de aves. O conhecimento atual sobre extinções de aves desde os anos 1500 é bem documentado, mas para períodos anteriores a isso, os pesquisadores tiveram que depender de registros fósseis incompletos.

A abordagem da equipe envolveu comparar as extinções conhecidas e o alcance dos esforços de pesquisa em várias regiões com os dados disponíveis da Nova Zelândia. Este país é único no sentido de que a fauna de aves pré-humana é completamente conhecida, com restos bem preservados de todas as espécies de aves. O estudo sugere que regiões com menos estudos e, consequentemente, registros fósseis mais incompletos provavelmente têm um número maior de extinções não descobertas.

Consequências Ecológicas

As implicações ecológicas dessas extinções são abrangentes e complexas. O coautor Dr. Søren Faurby, da Universidade de Gotemburgo, enfatiza a perda de vários papéis ecológicos que as espécies de aves extintas desempenhavam. Esses papéis incluem funções-chave como dispersão de sementes e polinização, vitais para manter ecossistemas saudáveis. A extinção dessas aves provavelmente desencadeou efeitos em cascata, levando à perda de inúmeras espécies de plantas e animais que dependiam dessas aves para sobreviver.

O estudo também destaca grandes eventos históricos de extinção. Por exemplo, acredita-se que o maior evento de extinção de vertebrados impulsionado pelo homem ocorreu no século 14, com uma perda estimada de 570 espécies de aves após a chegada do homem no Pacífico Oriental, incluindo o Havaí e as Ilhas Cook. Essa taxa de extinção foi quase 100 vezes a taxa de extinção natural. Outro evento significativo ocorreu no século IX a.C., principalmente impulsionado pelo assentamento humano em regiões como o Pacífico Ocidental e as Ilhas Canárias.

Olhando para o futuro, os pesquisadores apontam o evento de extinção em andamento que começou em meados do século 18. Este período viu um aumento nas ameaças às espécies de aves, incluindo mudanças climáticas, agricultura intensiva e poluição, além da contínua disseminação de espécies invasoras e perda de habitat.

No entanto, o Dr. Cooke também enfatiza o papel dos esforços de conservação na prevenção de mais extinções. O estudo sugere que até 700 espécies adicionais de aves estão em risco de extinção nos próximos séculos, destacando a necessidade urgente de aumentar as iniciativas de conservação e restauração de habitats, idealmente lideradas por comunidades locais. O futuro das espécies de aves, conforme indicado pelo estudo, depende amplamente das ações tomadas pelos humanos nos próximos anos.

Fonte: Phys.org

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

1 comentário

Sueli de Carvalho 24/12/2023 - 20:47

Matéria fantástica… Parabéns !!! O ser humano deve ser mais informado do quanto suas atitudes podem aumentar ou destruir um eco sistema. Não fazemos por maldade, mas sim por falta de conhecimento. Nos primórdios da Civilização não tinham como obter essa Sabedoria.

Comentar