‘Chamado do vazio’: O misterioso fenômeno que faz pessoas quererem pular de lugares altos

por Lucas
0 comentário 218 visualizações

O fenômeno conhecido como “l’appel du vide”, ou “o chamado do vazio”, é uma situação em que indivíduos pensam repentinamente em pular de lugares altos, apesar de não terem intenção de fazê-lo. Essa experiência, frequentemente breve e fora do caráter, envolve pensamentos como saltar de um lugar alto ou dirigir contra o tráfego. É um fenômeno comum, com os franceses cunhando um termo específico para isso. Surpreendentemente, mais da metade das pessoas em dois pequenos estudos relataram ter vivenciado essa sensação.

Em 2012, o primeiro estudo significativo sobre esse fenômeno foi publicado no Journal of Affective Disorders. Esta pesquisa entrevistou 431 estudantes universitários e revelou resultados intrigantes. Descobriu-se que mais da metade dos participantes que nunca tiveram pensamentos suicidas havia experimentado o chamado do vazio pelo menos uma vez. Essa taxa subiu para mais de 75% entre aqueles que tinham histórico de ideação suicida.

Este estudo foi inovador ao demonstrar que a experiência de pensamentos súbitos e imprevistos sobre perigo iminente não está exclusivamente ligada à ideação suicida. Há uma clara distinção entre imaginar a possibilidade de saltar de um lugar alto e ter o desejo de agir com base nisso.

Os pesquisadores inicialmente hipotetizaram que o chamado do vazio poderia ser um ‘sinal de segurança mal interpretado’. Essa teoria sugere que a sensação poderia ser uma leitura errada do encorajamento do cérebro para se afastar do perigo. Os resultados do estudo pareceram apoiar essa hipótese. Curiosamente, indivíduos com maiores níveis de ansiedade relatada tinham mais probabilidade de ter experimentado o chamado do vazio do que aqueles com menores níveis de ansiedade.

Jennifer Hames, a principal pesquisadora do estudo, ofereceu uma perspectiva única. Na época do estudo, ela era psicóloga clínica na Florida State University e agora é professora assistente de psicologia clínica na Universidade de Notre Dame. Hames sugeriu que o chamado do vazio poderia ser o subconsciente tentando realçar a apreciação de um indivíduo pela vida. Essa teoria indica que o chamado do vazio poderia ser uma indicação da sensibilidade aumentada de uma pessoa para com sinais internos.

Em 2020, outro estudo sobre o tópico foi publicado no jornal BMC Psychiatry. Esta pesquisa visava investigar se o chamado do vazio era mais prevalente entre pessoas com ideação suicida em comparação com aquelas sem tais pensamentos. O estudo foi motivado pela preocupação de que vivenciar o chamado do vazio pudesse indicar problemas mais profundos com o estado mental de alguém.

Tobias Teismann, o principal pesquisador deste estudo e membro do corpo docente do Departamento de Psicologia Clínica e Psicoterapia na Ruhr-University Bochum, na Alemanha, estava pessoalmente familiarizado com o fenômeno, tendo o vivenciado em seus 20 anos. O interesse de Teismann no assunto surgiu de seus encontros com pacientes em uma clínica ambulatorial. Esses pacientes expressaram confusão sobre seu estado mental, sentindo-se ligados à vida, mas ocasionalmente experimentando impulsos como pular de alturas ou dirigir contra o tráfego.

O estudo recrutou 276 adultos através de um questionário online e 94 participantes com um medo clinicamente relevante de voar que buscaram assistência médica ou psicológica. Teismann visava investigar a prevalência do fenômeno em ambas as amostras. Os resultados indicaram que indivíduos com pensamentos suicidas eram mais propensos a ter sentido o chamado do vazio do que aqueles sem tais ideações. No entanto, Teismann esclareceu que isso não sugere uma ligação direta entre o chamado do vazio e o desejo de se autolesionar. Em vez disso, o fenômeno é relatado como mais comum entre pessoas que respondem ansiosamente a sinais corporais, como tremores, leve tontura ou espasmos musculares.

Teismann enfatizou que o chamado do vazio é uma experiência comum, não relacionada à suicidade e ansiedade. O fenômeno é normal e não deve ser considerado um sinal de psicopatologia. Os pesquisadores do estudo de 2020 aconselharam contra a interpretação de tais experiências como expressões de um desejo oculto de morte.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.