Ciclone no Sul do Brasil trará chuvas, vento e ressaca no mar, mas será positivo para o RS

por Lucas
0 comentário 433 visualizações

Um ciclone extratropical está previsto para se formar no sul do Brasil nesta segunda-feira, trazendo chuva, vento e risco de tempestades localizadas. O ciclone também causará agitação marítima em uma extensa área da costa brasileira, resultando em forte ressaca nas praias, segundo o MetSul.

Segunda-feira

Na segunda-feira, uma série de áreas de baixa pressão se desenvolverão perto do Rio Grande do Sul, eventualmente formando um centro de baixa pressão mais profundo na costa, levando à formação de um ciclone extratropical maduro entre terça e quarta-feira. O tempo ficará instável em grande parte do estado, com chuvas moderadas a fortes em algumas áreas, alcançando volumes de 30 mm a 50 mm em poucas horas em partes do Sul e Leste do Rio Grande do Sul. Relâmpagos e tempestades localizadas também são possíveis.

Terça-feira

Projeção do modelo europeu de pressão e chuva para a manhã de terça-feira | METSUL

Projeção do modelo europeu de pressão e chuva para a manhã de terça-feira | METSUL

Na terça-feira, o vórtice do ciclone estará sobre o mar ao longo da costa do Rio Grande do Sul, continuando a causar chuvas, às vezes intensas, no Sul do estado no início do dia. No entanto, a maioria das regiões verá uma redução nas precipitações intensas à medida que o ar mais seco avança do Oeste. Apesar disso, a circulação de umidade do sistema costeiro ainda trará muita nebulosidade e possibilidade de garoa ou chuva leve em diferentes partes do Rio Grande do Sul ao longo do dia, intercaladas com períodos de sol.

Quarta-feira

Na quarta-feira, o centro do ciclone se moverá mais para o Oceano Atlântico, afastando-se da costa do sul do Brasil. O estado terá um clima misto de sol e nuvens, com períodos de maior nebulosidade. Chuvas isoladas e temporárias ou garoa ainda podem ocorrer em algumas áreas. Na quinta-feira, a tempestade estará ainda mais distante da costa, resultando em mais períodos de sol no Rio Grande do Sul, embora momentos de maior nebulosidade persistam em várias partes do estado devido a nuvens baixas ou nevoeiro, especialmente pela manhã.

Sexta-feira

Na sexta-feira, o centro do ciclone estará localizado longe do Rio Grande do Sul no Atlântico, levando a um dia de sol, nuvens e ocasionalmente maior nebulosidade, quando o céu pode ficar nublado ou encoberto em vários locais, principalmente pela manhã devido a camadas de nuvens baixas ou nevoeiro.

O ciclone trará chuva para os três estados do sul, mas não é esperada precipitação excessiva nas bacias hidrográficas que enfrentaram enchentes anteriormente. Assim, a chuva que acompanhará o sistema não deve causar um aumento significativo nas enchentes dos rios. As áreas que deverão receber mais chuva são as bacias dos rios Gravataí, Sinos e Caí, embora os volumes não sejam esperados para causar grandes inundações.

Ciclone deve ajudar a trazer ‘trégua’ para o RS

Chuvas extremas devem permanecer no mar. No continente, os maiores acumulados ocorrerão no Leste do Sul do Brasil e no Leste de São Paulo, com os maiores volumes no Sul do Rio Grande do Sul, onde podem exceder 100 mm em alguns locais. Porto Alegre, situada no leste do Rio Grande do Sul, também experimentará chuva, com risco de intensidade forte em alguns momentos na segunda-feira. No entanto, os volumes não são esperados para serem tão altos quanto os registrados na última quinta-feira, quando a cidade viu 100 mm a 150 mm de precipitação. As projeções médias indicam 30 mm a 50 mm de precipitação, com os cenários mais pessimistas prevendo 50 mm a 75 mm.

Em geral, embora o ciclone traga instabilidade e chuva para o sul do Brasil, as condições meteorológicas previstas sugerem que o impacto nas bacias hidrográficas anteriormente inundadas será limitado. A progressão do ciclone para longe da costa no meio da semana deverá inaugurar um período de tempo mais seco, com sol e nuvens predominando, reduzindo o risco de novas inundações e permitindo a estabilização dos níveis dos rios. Isso porque esse tipo de sistema normalmente manda ar seco para o Rio Grande do Sul quando começa a se afastar, garantindo vários dias sem chuva forte ou até mesmo dias ensolarados.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.