Descobriram uma língua antiga perdida há 3.000 anos

por Junior
0 comentário 26 visualizações

Uma equipe de pesquisadores na Turquia fez uma descoberta revolucionária ao catalogar tabuletas de barro na capital do antigo Império Hitita, localizada na península norte-central da Anatólia. Entre dezenas de milhares de tabuletas, um texto único foi identificado, apresentando uma língua anteriormente desconhecida pelos especialistas.

Embora a escrita seguisse o sistema de escrita cuneiforme comum na região, a língua das inscrições era desconhecida. Os pesquisadores acreditam que essa língua, que eles batizaram de “kalašma” ou “kalasmaic”, foi perdida há mais de 3.000 anos. A importância do texto não se limita apenas à sua língua única, mas também ao fato de abrir uma janela para uma tradição linguística anteriormente desconhecida no antigo Oriente Médio.

Características Linguísticas e Contexto Geográfico

A língua kalašmaic, embora atualmente não decifrada, mostra indícios de fazer parte da família linguística indo-europeia. Essa família inclui o hitita, a língua mais antiga conhecida deste grupo. A distintividade da kalašmaic reside em sua aparente divergência de outras línguas antigas conhecidas no Oriente Médio, tornando-a um assunto de grande interesse para linguistas e historiadores.

O texto começa com uma introdução traduzível, afirmando, “Daqui em diante, leia na língua do país de Kalašma”. Essa introdução não apenas dá o nome da língua, mas também sugere um contexto geográfico para sua origem. Acredita-se que Kalašma tenha sido uma entidade política da Idade do Bronze, possivelmente localizada na franja noroeste do Império Hitita.

A descoberta foi feita em Hattusa, a capital hitita, pelo professor Andreas Schachner do Departamento de Istambul do Instituto Arqueológico Alemão. A descoberta, entre mais de 25.000 tabuletas no local, destaca a diversidade linguística do antigo Império Hitita.

Significado Histórico e Pesquisa Futura

A descoberta da kalašmaic lança luz sobre a diversidade cultural e linguística do Império Hitita, que governou grande parte da Anatólia de 1650 a 1200 aC. Os hititas são conhecidos por sua coleção de textos em várias línguas, refletindo a diversidade étnica sob seu domínio.

Essa prática, conforme explicado pelo professor Daniel Schwemer da Universidade Julius-Maximilians em Würzburg, Alemanha, pode ter sido parte de sua estratégia para incorporar diferentes culturas e religiões ao seu império. Os Arquivos Hititas em Hattusa contêm uma riqueza de informações sobre tratados reais, correspondências políticas e textos religiosos, revelando as extensas interações do império com regiões e culturas vizinhas.

A descoberta da kalašmaic acrescenta uma nova dimensão à nossa compreensão da complexidade linguística e cultural do Império Hitita. Também sugere que os Kalašmans, os falantes dessa língua, eram aliados dos hititas, como evidenciado por sua participação na batalha de Qadesh contra o Império Egípcio sob o faraó Ramsés II.

Atualmente, nenhuma imagem pública da tabuleta kalašmaic está disponível. A equipe de pesquisa está no processo de publicar um estudo detalhado sobre o texto, esperando descobrir mais insights sobre essa antiga língua. Esta descoberta não só adiciona um novo capítulo ao nosso conhecimento das línguas antigas, mas também fornece um vislumbre tentador das interações culturais e da diversidade linguística do antigo Oriente Próximo.

Fonte: ScienceAlert

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.