Enorme planeta descoberto em torno de uma pequena estrela “não deveria existir”

por Lucas
0 comentário 9 visualizações

Cientistas fizeram uma descoberta que desafia nosso entendimento sobre a formação planetária. Um estudo publicado na revista Science em 30 de novembro revelou a existência do planeta LHS 3154b, excepcionalmente grande comparado à sua estrela, LHS 3154. Esse descompasso estrela-planeta, localizado a 51 anos-luz do nosso sistema solar, apresenta uma anomalia significativa em termos astronômicos. Segundo as nossas teorias atuais, ele “não deveria existir”.

LHS 3154, uma estrela anã ultrafria, é significativamente menor que o nosso sol, sendo cerca de nove vezes menos massiva. Em contraste, o planeta LHS 3154b tem uma massa 13 vezes maior que a Terra. Essa discrepância de tamanho entre a estrela e seu planeta é sem precedentes na astronomia, comparável à visão incomum de uma melancia crescendo em uma videira.

A dupla incomum foi descoberta usando o Finder de Planetas na Zona Habitável (HPF) no Observatório McDonald, no Texas. Este instrumento é especializado na detecção de estrelas mais frias, como LHS 3154. Normalmente, planetas orbitando essas estrelas são candidatos principais para terem água em suas superfícies. No entanto, a descoberta de um planeta grande como LHS 3154b orbitando uma estrela relativamente pequena foi completamente inesperada.

Suvrath Mahadevan, astrônomo da Penn State e coautor do estudo, expressou surpresa com a descoberta. “Não esperaríamos que um planeta tão pesado existisse ao redor de uma estrela de baixa massa”, disse Mahadevan. A presença de LHS 3154b desafia as teorias existentes sobre como os planetas se formam ao redor de novas estrelas. Tradicionalmente, acredita-se que uma nova estrela se forma a partir de uma nuvem de poeira cósmica, deixando para trás um disco de material que gradualmente se condensa em planetas. No entanto, a quantidade de material necessário para formar um planeta tão massivo quanto LHS 3154b seria cerca de dez vezes maior do que o estimado disponível ao redor de sua estrela hospedeira.

Esta revelação sugere que tais combinações estrela-planeta podem ser extremamente raras. Os pesquisadores estão ansiosos para investigar mais profundamente essa anomalia e entender como LHS 3154b alcançou seu tamanho massivo em relação à sua estrela. A descoberta destaca um ponto significativo feito por Mahadevan: “Esta descoberta realmente ressalta o quanto sabemos pouco sobre o universo”.

Embora LHS 3154b não seja o exoplaneta mais massivo descoberto — esse título provavelmente pertence ao gigante gasoso HAT-P-67 b, com um raio aproximadamente duas vezes maior que o de Júpiter — seu tamanho desproporcional em relação à sua estrela é uma descoberta recordista.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.