Estamos cada vez mais perto do ‘ponto não retorno’ da Terra

por Lucas
0 comentário 261 visualizações

O discurso sobre o aquecimento global e as mudanças climáticas é onipresente no diálogo moderno, com preocupações sobre a frequência crescente de eventos climáticos extremos, temperaturas recordes e outras anomalias relacionadas ao clima. Central para essa discussão está a concentração atmosférica de dióxido de carbono (CO2), um principal gás de efeito estufa e um significativo motor do aquecimento global. Este texto mergulha nas propriedades do CO2, seu papel no efeito estufa, os padrões de sua concentração atmosférica e as implicações de seus níveis crescentes.

O CO2 é composto de um átomo de carbono e dois átomos de oxigênio. Sua estrutura molecular permite que seja transparente à radiação visível e ultravioleta do sol, o que significa que esses raios podem passar pelas moléculas de CO2 sem serem absorvidos ou dispersos.

Essa radiação atinge a superfície da Terra, aquecendo-a. Por sua vez, a Terra emite radiação infravermelha à medida que libera esse calor absorvido. Diferentemente dos raios ultravioletas, as moléculas de CO2 absorvem essa radiação infravermelha. Uma vez absorvida, a energia é reemitida em todas as direções, incluindo de volta para a Terra, efetivamente aprisionando calor na atmosfera. Esse fenômeno, semelhante à maneira como uma estufa retém calor, é a base do efeito estufa. À medida que as concentrações de CO2 aumentam, também aumenta a potência desse efeito, levando a temperaturas mais altas na superfície da Terra.

Tendência da concentração de CO2 nos últimos 3 anos. Após o mínimo sazonal de setembro de 2023, a concentração voltou a aumentar. Para abril de 2024, espera-se um máximo superior ao do ano passado. Crédito: NASA.

Tendência da concentração de CO2 nos últimos 3 anos. Após o mínimo sazonal de setembro de 2023, a concentração voltou a aumentar. Para abril de 2024, espera-se um máximo superior ao do ano passado. Crédito: NASA.

A concentração de CO2 na atmosfera está sujeita a mudanças de curto e longo prazo. Anualmente, há uma flutuação que vê os níveis de CO2 diminuírem em setembro, atingindo seu ponto mais baixo devido à absorção pelas plantas durante o verão do hemisfério norte, e atingirem o pico em abril, após a redução da cobertura vegetal durante o inverno. Esse ciclo, frequentemente descrito como a “respiração” da Terra, é predominantemente influenciado pelas vastas áreas florestais no hemisfério norte, dado sua maior massa de terra em comparação com o hemisfério sul.

O rastreamento histórico dos níveis atmosféricos de CO2 começou seriamente com Charles David Keeling no final dos anos 1950. Seu trabalho levou à criação da “Curva de Keeling”, um gráfico que mostra a contínua ascensão nos níveis de CO2 desde os anos 1950 até o presente. Medidas realizadas no Observatório Mauna Loa, no Havaí, escolhido por seu isolamento de influências significativas de plantas, humanos e industriais, forneceram um registro claro e consistente das concentrações de CO2. Essas medições são expressas em partes por milhão (ppm), com a concentração atual em torno de 422 ppm, um aumento significativo das leituras iniciais de aproximadamente 317 ppm registradas por Keeling.

A Curva de Keeling não apenas ilustra as oscilações anuais nos níveis de CO2, mas também revela uma tendência mais preocupante: um aumento acelerado nas concentrações de CO2 ao longo do tempo. Inicialmente, a curva sugeriu um aumento linear nos níveis de CO2, mas dados mais recentes indicam que a taxa de aumento está crescendo, se encaixando mais de perto em uma função de lei de potência. Essa aceleração sugere que o aumento anual nos níveis de CO2 está se tornando significativamente maior a cada década que passa.

Essa tendência levanta a questão de se os esforços para mitigar as emissões de CO2 e, por extensão, o aquecimento global, estão tendo um impacto. Apesar de várias iniciativas e acordos destinados a reduzir as emissões de gases de efeito estufa, os dados sugerem que os níveis de CO2 continuam a subir em um ritmo acelerado. Essa observação leva à contemplação de um “ponto de não retorno”, um limiar teórico além do qual nenhum esforço de mitigação pode reverter ou desacelerar significativamente os impactos adversos das mudanças climáticas.

O aumento contínuo nos níveis de CO2, particularmente em um ritmo acelerado, sugere que, sem uma intervenção significativa e eficaz, as temperaturas globais provavelmente continuarão subindo. Essa tendência tem implicações profundas para os padrões climáticos, ecossistemas e sociedades humanas.

Fonte: Tiempo

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.