Fossa das Marianas: O que acharam no ponto mais profundo dos oceanos?

por Lucas
0 comentário 910 visualizações

A Fossa das Marianas, a parte mais profunda dos oceanos do mundo, está localizada no oeste do Oceano Pacífico. A imensa pressão nesta profundidade, cerca de 108.580 quilopascals, é mais de 1.000 vezes maior do que a experienciada em terra. Esta área, completamente desprovida de luz natural, apresenta um ambiente único e extremo.

Situada a leste das Ilhas Marianas, de onde recebe seu nome, a fossa apresenta temperaturas de água próximas ao congelamento. A Fossa das Marianas, apesar de suas condições severas, suporta várias formas de vida. Isso inclui microorganismos e organismos maiores, como anfípodes. A fossa é até mesmo lar de algumas espécies de peixes, todos adaptados para sobreviver em um ecossistema tão extremo.

A formação da Fossa das Marianas é atribuída a um processo geológico conhecido como subducção. Isso ocorre onde a Placa do Pacífico é subduzida sob a menor Placa das Marianas. A fossa ganhou atenção científica na década de 1870 durante a Expedição Challenger, marcando um ponto significativo na história da exploração submarina.

O ponto mais profundo da Fossa das Marianas, o Challenger Deep, excede 10,9 quilômetros de profundidade. Essa medição, realizada em 2010 pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, contrasta com a profundidade média dos oceanos do mundo, que é de cerca de 3.660 metros. O fundo do mar, assim como a terra seca, é caracterizado por variadas características topográficas, incluindo picos montanhosos e vales profundos. O Challenger Deep, dentro da Fossa das Marianas, é um exemplo proeminente dessas características do mar profundo.

As profundezas além de aproximadamente 6.096 metros são conhecidas como zona hadal, nomeada após Hades, o deus grego do submundo. A natureza abissal dessa zona e o mistério que ela incorpora são adequados ao seu nome.

peixe-caracol

Peixe-caracol

Em termos de vida marinha, a Fossa das Marianas abriga vários animais com adaptações únicas. O peixe-caracol, dominante na zona hadal, foi observado a quase 8.230 metros. Esses peixes possuem um esqueleto cartilaginoso e um corpo translúcido. Peixes da família dos congros, relacionados ao atum e cavalos-marinhos, foram registrados um pouco além de 8.230 metros e são notáveis por habitarem as partes mais rasas e mais profundas do oceano. Anfípodes, ao lado de pepinos-do-mar, são abundantes na zona hadal. Uma espécie, Alicella gigantea, pode crescer até 33 centímetros de comprimento.

Pepino do mar

Pepino do mar

A exploração humana da Fossa das Marianas começou quase 100 anos após sua descoberta. Os primeiros a alcançar o Challenger Deep foram o oficial naval dos EUA Don Walsh e o oceanógrafo suíço Jacques Piccard em 1960. O cineasta e explorador oceânico canadense James Cameron seguiu em 2012, fazendo uma jornada solo para a fossa. Desde então, alguns outros exploradores oceânicos e vários veículos operados remotamente completaram expedições a essa profundidade.

Explorações recentes levaram a descobertas significativas e contribuições para a ciência. Por exemplo, uma equipe obteve amostras de água das profundezas da fossa para o Museu de História Natural em Washington D.C. Em uma expedição notável, a oceanógrafa Dawn Wright, ao lado do piloto Victor Vescovo, usou tecnologia de sonar de varredura lateral para capturar imagens detalhadas do fundo do mar a 10.972 metros. No entanto, a descoberta de uma garrafa de cerveja a tal profundidade serve como um lembrete contundente do impacto humano até nas partes mais remotas do oceano.

Fatos sobre a Fossa das Marianas:

  • De fato, é a parte mais profunda do oceano
  • O Challenger Deep é o ponto conhecido mais profundo da Terra, atingindo aproximadamente 10.984 metros abaixo do nível do mar.
  • A fossa foi identificada pela primeira vez em 1875 durante a expedição Challenger, uma significativa expedição oceanográfica liderada pela Marinha Real Britânica.
  • Ao contrário do que alguns acreditam, o Titanic não está localizado na Fossa das Marianas, mas no Oceano Atlântico Norte, a uma profundidade de cerca de 3.800 metros.
  • A Fossa das Marianas se estende por cerca de 2.550 quilômetros de comprimento e tem em média 69 quilômetros de largura.
  • Apenas algumas pessoas desceram ao Challenger Deep, incluindo a viagem histórica de Jacques Piccard e Don Walsh em 1960, James Cameron em 2012, e várias imersões de Victor Vescovo e sua equipe em 2019.
  • A aparência da fossa é caracterizada por paredes íngremes e rochosas e um leito coberto de sedimentos. As condições são extremas, marcadas por imensa pressão, temperaturas próximas ao congelamento e completa escuridão, exceto pela presença de organismos bioluminescentes.
  • A Fossa das Marianas é uma fronteira convergente de placas oceânicas-oceânicas, formada pela subducção da Placa do Pacífico sob a Placa das Marianas.
  • Peixes e outros organismos na Fossa das Marianas desenvolveram adaptações para sobreviver em condições de alta pressão, baixa temperatura e falta de luz. Essas adaptações incluem estruturas corporais especializadas, metabolismo lento e alta tolerância à pressão.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.