Hipótese da floresta escura: a perturbadora razão pela qual não achamos alienígenas?

por Lucas
0 comentário 168 visualizações

A “hipótese da floresta escura” é um conceito explorado no romance de ficção científica de Liu Cixin, “A Floresta Sombria”, que é o segundo livro da série “O Problema dos Três Corpos”, também conhecida como “Lembrança do Passado da Terra”. Esta hipótese apresenta uma solução potencial para o paradoxo de Fermi, que questiona por que, apesar da alta probabilidade de civilizações extraterrestres no universo, não há evidências dessas civilizações ou de suas tentativas de contato com a Terra.

No romance, discussões sobre essa hipótese ocorrem entre um professor de sociologia, um ex-astrônomo e a mãe de seu amigo falecido. O professor de sociologia postula que a vida busca inerentemente sobreviver, e não há certeza sobre as intenções de espécies alienígenas. Esses seres extraterrestres podem variar de benevolentes a hostis. Mesmo formas de vida não hostis estariam se expandindo em um universo com recursos finitos, escalando o potencial para conflitos por esses recursos.

A “hipótese da floresta escura” sugere que o curso de ação mais seguro para qualquer forma de vida inteligente é eliminar preventivamente outras formas de vida antes que representem uma ameaça. Esta perspectiva é vividamente ilustrada no romance: “O universo é uma floresta escura. Cada civilização é um caçador armado esgueirando-se pelas árvores como um fantasma, afastando gentilmente os galhos que bloqueiam o caminho e tentando andar sem fazer som. Até a respiração é feita com cuidado. O caçador tem que ser cuidadoso, pois em toda a floresta há caçadores furtivos como ele. Se ele encontra outra vida – outro caçador, um anjo ou um demônio, um bebê delicado ou um velho cambaleante, uma fada ou um semideus – há apenas uma coisa a fazer: abrir fogo e eliminá-los. Nesta floresta, o inferno são as outras pessoas. Uma ameaça eterna de que qualquer vida que expõe sua própria existência será rapidamente aniquilada. Esta é a imagem da civilização cósmica. É a explicação para o Paradoxo de Fermi.”

A hipótese argumenta que a falta de contato com outras espécies não significa necessariamente que elas foram aniquiladas. Pode implicar que, mesmo que uma espécie adote uma abordagem destrutiva por recursos ou esporte, seria lógico para outras permanecerem em silêncio e evitar revelar sua existência. Isso é contrastado com o comportamento humano, já que os humanos têm transmitido ativamente sua presença no espaço por mais de um século.

O livro de ficção científica de Greg Bear, “A Forja de Deus”, paralela a este tema. No romance, são descobertas sondas assassinas, e é observado: “Estivemos sentados em nossa árvore chilreando como pássaros tolos por mais de um século agora, perguntando-nos por que nenhum outro pássaro respondeu. Os céus galácticos estão cheios de falcões, é por isso.”

No entanto, a “hipótese da floresta escura” também considera limitações práticas à ideia de destruição preventiva. O romance aponta que, se uma civilização envia uma frota de destruidores para outro sistema estelar, até o momento em que a frota chegar, ela permanecerá no nível tecnológico de sua partida, enquanto a civilização alvo poderia ter avançado significativamente. Esse atraso no tempo de viagem interestelar pode dissuadir civilizações de se engajarem em tais ataques preventivos.

Consequentemente, o romance sugere que pode ser mais benéfico para as civilizações permanecerem escondidas, semelhantes a outras formas de vida benevolentes, coexistindo silenciosamente com medo dentro da “floresta escura” cósmica.

Fonte: IFLScience

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.