Especialistas confirmam: Linha de falha da Islândia despertou após 800 anos

por Lucas
0 comentário 82 visualizações

Uma erupção vulcânica recentemente ocorreu na Islândia, impactando significativamente a área local, particularmente a cidade pesqueira de Grindavik. Esse evento trouxe atenção para uma falha há muito adormecida sob o país, que os especialistas acreditam agora ter se tornado ativa. A cidade de Grindavik, localizada a sudoeste da capital Reykjavik, experimentou o engolfamento de várias casas por lava incandescente em um domingo. Este incidente levou à evacuação da maior parte da cidade devido à ameaça de erupção, que havia sido antecipada desde o mês anterior.

Ativação de Antiga Falha Vulcânica

A Islândia, conhecida por suas características geológicas únicas, está situada sobre a Dorsal Mesoatlântica. Este marco geográfico é uma fissura significativa no fundo do oceano que marca o limite entre as placas tectônicas Eurasiática e Norte-Americana. A recente erupção em Grindavik faz parte de uma série de atividades vulcânicas observadas na península de Reykjanes. Notavelmente, esta península não havia experimentado nenhuma erupção vulcânica por séculos até a recente série, que inclui cinco erupções em menos de três anos.

O vulcanologista Patrick Allard, do Institut de Physique du Globe de Paris, na França, forneceu insights sobre este fenômeno. Ele destacou que a região estava adormecida há cerca de 8 séculos, sem atividade superficial. No entanto, ele observa que a área agora entrou em uma nova fase de separação de placas, potencialmente durando vários anos ou mesmo décadas. Allard apontou que sinais de erupções iminentes eram evidentes mesmo antes da primeira destas cinco erupções em março de 2021. Cientistas observaram distorções no solo e magma subindo de profundezas da Terra para áreas de três a 10 quilômetros abaixo da superfície. À medida que este magma fazia seu caminho para cima através de fissuras, erupções se seguiram.

As duas erupções mais recentes, ambas representando ameaças a Grindavik, foram caracterizadas por sua brevidade e pela mínima atividade sísmica que as precedeu. Esse padrão indica que o magma está situado muito próximo à superfície da Terra, pronto para entrar em erupção. Allard também mencionou a finura da crosta terrestre perto da falha sob a Islândia, o que facilita esses “alívios de pressão” do magma.

Impactos Locais e Riscos Futuros

Embora a quantidade de magma esperada para emergir da superfície da Terra não seja prevista como massiva, sua localização representa riscos significativos. Um desses riscos é para a usina geotérmica de Svartsengi, que fornece eletricidade e água para os 30.000 residentes da península de Reykjanes, cerca de um décimo da população da Islândia. As atividades vulcânicas também impactaram o turismo, levando ao fechamento da Lagoa Azul, um destino popular conhecido por suas águas geotérmicas.

Allard comentou sobre o contexto histórico de Grindavik, observando que a cidade foi construída sobre fluxos de lava de aproximadamente 800 anos atrás. Esse fato levanta questões sobre a localização da cidade em relação à atividade vulcânica. Além disso, o padrão das erupções recentes sugere que pode haver pouco aviso antes das erupções futuras. As duas últimas erupções foram precedidas por apenas algumas horas de atividade sísmica crítica, indicando uma ascensão rápida do magma à superfície.

Além das erupções terrestres, há um risco de erupções submarinas. Tais eventos poderiam levar a fenômenos explosivos, liberando mais cinzas vulcânicas. Este cenário remete à erupção do vulcão Eyjafjallajokull em 2010, que descarregou uma quantidade massiva de cinzas na atmosfera, causando interrupções globais de viagens. No entanto, especialistas consideram tal evento extremo improvável de ocorrer na península de Reykjanes.

Fonte: Science Alert

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.