‘Superestrutura’ maior que o Paraná vem crescendo no fundo do mar desde a era dos dinossauros

por Lucas
0 comentário

Um planalto submarino no Oceano Pacífico, maior que o estado do Paraná, começou sua formação através de erupções vulcânicas durante o período Cretáceo, aproximadamente de 145 a 66 milhões de anos atrás, e continua a crescer até hoje. Esta característica geológica é conhecida como Planalto de Fronteira Melanésio, situado a leste das Ilhas Salomão. Uma nova pesquisa, publicada em 15 de janeiro na revista Earth and Planetary Science Letters, revela que a formação do planalto resultou de quatro fases distintas de atividade vulcânica, cada uma originada de causas diferentes.

Kevin Konrad, um geocientista da Universidade de Nevada, Las Vegas, e líder do estudo, enfatizou a importância de entender essas gigantescas estruturas vulcânicas sob o oceano. Ele observou que tais características são frequentemente enigmáticas. Em alguns casos, elas emergem de um único e massivo derrame de magma, formando o que é conhecido como uma província ígnea grande. Estes fenômenos vulcânicos extensos e duradouros são dramáticos o suficiente para alterar o clima e têm sido associados a extinções em massa na história da Terra.

No entanto, Konrad apontou que outras formações, parecendo semelhantes às províncias ígneas grandes, são na verdade o resultado de atividade vulcânica prolongada, abrangendo milhões de anos. Estas acumulam gradualmente camadas de rochas, assemelhando-se a um bolo em camadas. O desafio em distinguir estes tipos reside na escassez de amostras de rochas disponíveis para estudo. “Há algumas características na bacia do Pacífico onde [cientistas] têm apenas uma única amostra, e parece um evento único e muito grande”, explicou Konrad à Live Science. Ele ainda elaborou que amostras detalhadas dessas características frequentemente revelam uma história de múltiplos episódios vulcânicos espalhados por dezenas de milhões de anos, o que não teria impactos ambientais significativos.

Uma dragagem de rocha bem-sucedida a bordo do R/V Roger Revelle durante uma expedição. (Crédito da imagem: Dr. Kevin Konrad)

Uma dragagem de rocha bem-sucedida a bordo do R/V Roger Revelle durante uma expedição. (Crédito da imagem: Dr. Kevin Konrad)

Em 2013, Konrad e sua equipe tiveram a oportunidade de amostrar extensivamente o Planalto de Fronteira Melanésio durante uma missão de pesquisa de cinco semanas. Utilizando um grande dispositivo de corrente, eles dragaram rochas das encostas das montanhas submarinas e vulcões que constituem o planalto. A análise das idades e composição química dessas rochas sugeriu que a formação inicial do planalto provavelmente ocorreu há cerca de 120 milhões de anos. Uma parte do planalto, conhecida como Ridge Robbie, acredita-se ter se formado durante este período através de um maciço fluxo de lava basáltica, criando um grande planalto submarino que não rompeu o nível do mar.

Posteriormente, cerca de 45 milhões de anos atrás, este segmento da Placa do Pacífico moveu-se sobre um ponto quente do manto. Pontos quentes são colunas de material aquecido ascendendo do manto, causando atividade vulcânica dentro das placas tectônicas. Um exemplo notável é a formação das Ilhas Havaianas. Neste caso, o ponto quente Rurutu-Arago, ainda presente sob a Polinésia Francesa, levou à criação de uma cadeia de montes submarinos com ilhas emergindo acima da superfície do oceano. Estas ilhas eventualmente erodiram, mas há 13 milhões de anos, o monte submarino encontrou outro ponto quente, o ponto quente de Samoa, que está atualmente formando as Ilhas Samoanas. “Todos esses mesmos condutos que o magma usou para passar há 45 milhões de anos, eles agora são fraquezas preexistentes pelas quais o magma pode começar a se mover há 13 milhões de anos”, afirmou Konrad.

Estas novas ilhas também erodiram abaixo do nível do mar ao longo do tempo. A atividade vulcânica mais recente do planalto, ocorrendo nos últimos três milhões de anos, é atribuída a movimentos tectônicos na Trincheira de Tonga. Isso representa um mecanismo distinto do vulcanismo anterior, impulsionado por pontos quentes.

Konrad destacou a abundância de pontos quentes no Pacífico Sul, sugerindo que outros montes submarinos na região provavelmente têm histórias de desenvolvimento complexas semelhantes. A organização sem fins lucrativos Ocean Exploration Trust e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA estão atualmente investigando estes montes submarinos nos Estados Unidos.

Em colaboração com pesquisadores da Universidade de Maryland e da Universidade Estadual da Califórnia em Long Beach, Konrad planeja estudar montanhas do meio do Pacífico, potencialmente formadas por sobreposição de pontos quentes. Ele propõe o termo “superestruturas oceânicas de meio de placa” para essas formações, distinguindo-as das províncias ígneas grandes criadas por eventos vulcânicos únicos e massivos. Konrad antecipa que amostras mais detalhadas revelarão maior complexidade nessas estruturas.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.