O ‘Portal para o Inferno’ gigante da Sibéria não para de crescer e os cientistas estão preocupados

por Lucas
0 comentário 613 visualizações

Em uma área remota da tundra siberiana, conhecida como ‘O Portão do Inferno’, uma vasta cratera chamada Cratera de Batagay está se expandindo. Esta área, marcada por árvores baixas e arbustos, é frequentemente interrompida pelo som de água caindo dos penhascos e, ocasionalmente, pelo estrondo de terras caindo. Julian Murton, um geólogo da Universidade de Sussex, descreve a área como “bastante barulhenta”, atribuindo esses sons aos processos naturais que afetam a cratera. O povo indígena Yakutian há muito tempo vê essa área com cautela, e com razão.

A Cratera de Batagay, ou Cratera de Batagaika, não é uma verdadeira cratera, mas sim um afundamento retrogressivo por degelo (RTS), um fenômeno causado pelo degelo do permafrost e a rápida subsidência do solo. Este deslizamento em câmera lenta cresceu para mais de 87 hectares, ganhando a classificação de “megaslump”. É o maior RTS do mundo e continua a se expandir, destacando mudanças ambientais significativas.

A formação da Cratera de Batagay começou em meados da década de 1900, sendo observada pela primeira vez em imagens de satélite na década de 1960. Murton explica que seu crescimento foi provavelmente desencadeado pelo desmatamento e pelo uso de veículos off-road durante a exploração mineral e de mineração. Essas atividades destruíram a vegetação que isolava o permafrost, levando à erosão do solo e expondo o permafrost aos elementos. O permafrost, solo que permanece congelado por pelo menos dois anos, pode datar de milhares de anos. Ele cobre cerca de 15% do Hemisfério Norte e contém até 1.600 milhões de toneladas métricas de carbono orgânico.

O 'Portal para o Inferno' gigante da Sibéria não para de crescer e os cientistas estão preocupados

NASA

A mudança climática acelerou a degradação do permafrost, com o Ártico aquecendo entre 2,5 e 4 vezes mais rápido do que a média global. O megaslump de Batagay é um indicador visível desse rápido aquecimento. Desde sua aparição como uma estreita fenda, a cratera se expandiu anualmente em um padrão de ferradura, crescendo mais rapidamente na parede frontal inclinada. Antoni Lewkowicz, professor emérito da Universidade de Ottawa, observa que o silte e o solo deslizam mais facilmente nessa parede, onde o permafrost derrete e colapsa em lama, fluindo para os cursos d’água locais.

Entre 1991 e 2018, a parede frontal da Cratera de Batagay recuou até 11 metros por ano, com instâncias de até 30 metros. Um estudo publicado na revista Geomorphology relata que a cratera perdeu 34,6 milhões de metros cúbicos de material, liberando cerca de 169.500 toneladas de carbono orgânico. Essas emissões de carbono são cruciais para entender os impactos climáticos mais amplos do degelo do permafrost.

Alexander Kizyakov, um glaciólogo da Universidade Estatal de Moscou, enfatiza o ritmo rápido da degradação do permafrost e as mudanças dinâmicas nas paisagens do permafrost. Utilizando sensoriamento remoto, imagens de drones e núcleos de solo e gelo, Kizyakov e seus colegas forneceram estimativas abrangentes do crescimento da cratera. Suas descobertas aumentam a compreensão das formações RTS e sua evolução.

Formações RTS como a de Batagay não são raras e estão se tornando mais comuns em todo o Ártico, particularmente no norte da Rússia, Canadá e Alasca. Lewkowicz documentou a proliferação de deslizamentos de degelo na Ilha Banks, nos Territórios do Noroeste do Canadá. Em 1983, havia cerca de 60 deslizamentos ativos; agora há 4.000. Esse aumento é atribuído a temporadas particularmente quentes e ondas de calor intensas.

A maioria da degradação do permafrost é sutil e ocorre no subsolo. No entanto, as formações RTS são marcadores conspícuos das mudanças climáticas. Deslizamentos de degelo também podem ameaçar a infraestrutura humana. Em Whitehorse, Canadá, um deslizamento ativo é visível da Rodovia Klondike, potencialmente exigindo uma reestruturação da estrada.

Deslizamentos de degelo contribuem para o ciclo de feedback positivo do permafrost, onde o dióxido de carbono e o metano liberados exacerbam o aquecimento global. Embora o volume atual de carbono liberado pelo degelo do permafrost seja menor do que as emissões de combustíveis fósseis, é significativo e pode aumentar à medida que a mudança climática progride. Até o final do século, os gases de efeito estufa do permafrost poderiam igualar as emissões de uma grande nação industrializada.

Apesar das preocupações ambientais, os deslizamentos de degelo também revelam uma valiosa história geológica. A Cratera de Batagay oferece insights sobre centenas de milhares de anos do passado da Terra, expondo permafrost antigo e restos bem preservados de plantas e animais extintos. O local já forneceu restos de bisões antigos, cavalos e mamutes.

A Cratera de Batagay permanece ativa, com a parede frontal continuando a avançar. Deslizamentos de degelo se expandem até atingirem limites geológicos, como rochas ou corpos d’água. O fundo de Batagay quase atingiu o leito rochoso em muitos lugares, limitando seu crescimento em profundidade. No entanto, a parede frontal deve continuar avançando, continuando a remodelar a paisagem.

Fonte: Popsci

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.