O que eliminou o maior macaco que já percorreu a Terra? Podemos finalmente ter uma resposta

por Lucas
0 comentário 564 visualizações

Gigantopithecus blacki, uma colossal espécie de macaco, já percorreu a Terra atingindo uma altura de aproximadamente 3 metros e pesando até 300 quilogramas. Este primata, significativamente maior que os macacos contemporâneos, viveu em uma era povoada por diversas megafaunas. No entanto, ao contrário de outros primatas mais ágeis como os orangotangos, o G. blacki não conseguiu se adaptar às mudanças nas condições ambientais, levando à sua extinção.

O entendimento científico sobre o G. blacki vem principalmente de quatro mandíbulas e alguns milhares de dentes. Essas evidências limitadas apresentaram desafios aos paleontólogos para determinar as razões exatas e o momento da extinção da espécie. Yingqi Zhang, paleontólogo da Academia Chinesa de Ciências, juntamente com outros pesquisadores, embarcou em um estudo para desvendar o mistério que envolve o fim do G. blacki.

Para obter insights sobre a extinção do G. blacki, Zhang e colegas investigaram o ambiente de vida do primata datado de cerca de 2 milhões de anos atrás, que marca sua primeira aparição no registro fóssil, e até o final do Pleistoceno Médio, período durante o qual ele se extinguiu. A equipe analisou fósseis e amostras de sedimentos de 22 cavernas localizadas no sul da China. Notavelmente, metade dessas cavernas continha restos de G. blacki, representando coletivamente a mais substancial coleção de evidências relacionadas a essa espécie, abrangendo toda a sua existência.

Os pesquisadores empregaram seis diferentes técnicas de datação radiométrica para gerar 157 datas distintas, com o objetivo de precisar o período de extinção do G. blacki. Suas descobertas sugerem que a espécie se extinguiu entre 295.000 e 215.000 anos atrás. Kira Westaway, geocronologista da Universidade Macquarie e co-líder do estudo, enfatizou a importância da datação precisa em tais pesquisas, declarando que sem ela, as investigações podem se concentrar em períodos irrelevantes.

A análise de pólen desempenhou um papel crucial na compreensão das mudanças ambientais que coincidiram com a extinção do G. blacki. Os dados revelaram uma transição nas florestas do sul da China de ambientes densos, com copas pesadas e abundância de água com frutas em abundância — condições favoráveis para o G. blacki — para paisagens mais secas caracterizadas por florestas mais abertas, pastagens propensas a incêndios e aumento da sazonalidade. Essa mudança no clima e no habitat foi prejudicial ao G. blacki.

Análises dentárias forneceram mais insights sobre a luta da espécie para se adaptar a essas mudanças ambientais. Sinais de estresse crônico foram evidentes nos dentes do G. blacki à medida que se aproximava da extinção. Além disso, a dieta da espécie se tornou menos diversificada à medida que as florestas se abriram e secaram, levando a um declínio no número de populações e uma redução em sua área geográfica. Em contraste, o também extinto orangotango chinês, Pongo weidenreichi, mostrou muito menos estresse durante esse período, indicando uma melhor adaptação às mudanças ambientais.

As descobertas do estudo sugerem que a dependência especializada do G. blacki em frutas ricas em nutrientes foi um fator significativo em sua incapacidade de se adaptar às florestas em mudança. Ao contrário de primatas mais versáteis como orangotangos, a especialização do G. blacki levou à sua queda.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.