O tsunami mais alto já registrado formou onda de 524 metros

por Lucas
0 comentário

Em 1958, o Alasca vivenciou um megatsunami, o mais alto já registrado, com ondas chegando a 524 metros de altura. Esse desastre natural ocorreu na Baía de Lituya, uma área remota ao longo do Golfo do Alasca. Apesar da enormidade do evento, a baixa densidade populacional do local resultou em um número relativamente baixo de vítimas humanas, com cinco mortes atribuídas ao tsunami.

No dia do desastre, três indivíduos estavam na foz da Baía de Yakutat, que sofreu um afundamento de 30 metros abaixo do nível do mar. O Conselho de Política Sísmica dos Estados Ocidentais (WSSPC) fornece detalhes sobre este aspecto do evento. Além disso, duas pessoas que foram pescar durante o tsunami nunca mais foram vistas, presumivelmente arrastadas pela onda massiva.

Surpreendentemente, houve sobreviventes que conseguiram suportar as ondas catastróficas a bordo de seus barcos de pesca. Um pescador relatou ao Observatório da Terra da NASA como seu navio foi levantado sobre um esporão florestal pelo topo de uma onda, oferecendo-lhe uma vista dos topos das árvores de cima.

O tsunami mais alto já registrado formou onda de 524 metros

Wikimedia

A causa desse megatsunami foi uma colossal queda de rochas, com dimensões de 732 metros por 914 metros e espessura de 91 metros. Essa massa de rocha despencou 610 metros da parede norte da entrada na água. A escala e o impacto da queda de rochas foram comparados à de um asteroide atingindo a água. O leito marinho em forma de U do fiorde na Baía de Lituya desempenhou um papel significativo no caos subsequente, amplificando os efeitos da queda de rochas.

4 quilômetros quadrados de floresta foram varridos pelas ondas do tsunami.

4 quilômetros quadrados de floresta foram varridos pelas ondas do tsunami | Wikimedia

A própria queda de rochas foi desencadeada por um terremoto. O WSSPC concluiu que pouco poderia ter sido feito para prevenir as fatalidades naquele dia. No entanto, o incidente sublinha a importância de documentar tais eventos e considerá-los em decisões de desenvolvimento para áreas costeiras, especialmente em regiões propensas a alta atividade sísmica ou tsunamis.

Os efeitos do megatsunami de 1958 são visíveis até hoje, inclusive do espaço. Uma barreira distinta de linha de árvores marca a área, mostrando folhagem mais jovem em comparação com as árvores mais antigas ao redor. A ferocidade do tsunami foi tal que arrancou árvores, criando perigos adicionais para os barcos navegando nas águas turbulentas.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.