Oceanos de magma detectados através de rochas com 3,7 bilhões de anos

por Lucas
0 comentário 37 visualizações

A Terra primitiva, há aproximadamente 4,5 bilhões de anos, era dramaticamente diferente do planeta que conhecemos hoje. Inicialmente, era um ambiente implacável dominado por oceanos de magma, resultado do intenso calor do interior do planeta. Esse período tumultuado foi crucial na formação da estrutura da Terra, química da superfície e na formação de sua atmosfera inicial.

O processo de resfriamento do planeta de seu estado fundido e a cristalização desses oceanos de magma em rocha sólida marcaram etapas significativas na história do desenvolvimento do planeta. Acreditava-se anteriormente que as rochas primordiais, que poderiam conter evidências explicando a capacidade da Terra de sustentar a vida, haviam sido perdidas devido à contínua reformulação da superfície do planeta pela tectônica de placas. No entanto, essa suposição foi desafiada por uma descoberta de uma equipe de pesquisa, que encontrou remanescentes químicos dos antigos oceanos de magma da Terra em rochas de cerca de 3,7 bilhões de anos, localizadas no sul da Groenlândia.

Inferno na Terra

A formação da Terra e seu estado inicial foram influenciados pelas condições caóticas do início do sistema solar, caracterizadas por inúmeros impactos catastróficos entre a Terra e outros corpos celestes. Um evento notável nos anos formativos da Terra foi sua colisão com um planeta do tamanho de Marte, um impacto que também levou à criação da lua da Terra.

Essas colisões cósmicas geraram imensa energia, acreditava-se ser suficiente para derreter a crosta da Terra e uma parte significativa de seu interior, formando oceanos de magma em escala planetária com centenas de quilômetros de profundidade. Em contraste com essas condições iniciais, a crosta da Terra agora é completamente sólida, e seu manto é caracterizado como um sólido plástico, que permite movimentos geológicos lentos e viscosos.

Conforme a Terra começou sua fase de recuperação e resfriamento, seus profundos oceanos de magma cristalizaram e solidificaram, preparando o palco para o planeta como o conhecemos. Os gases vulcânicos liberados desses oceanos de magma em resfriamento desempenharam um papel fundamental na formação e composição da atmosfera inicial da Terra, que eventualmente se tornou propícia à vida.

Evidências geológicas

Descobrir evidências geológicas do antigo estado fundido da Terra é uma tarefa formidável. Os eventos do oceano de magma provavelmente ocorreram há mais de 4 bilhões de anos, e muitas das rochas dessa era foram recicladas pelo processo de tectônica de placas. No entanto, embora as rochas físicas desse período possam não existir mais, seus traços químicos podem ainda estar preservados profundamente dentro da Terra. Teoriza-se que cristais solidificados do período de resfriamento, devido à sua densidade, teriam afundado na base do manto da Terra. Alguns cientistas acreditam que esses resíduos minerais ainda possam estar presentes em zonas isoladas próximas à fronteira entre o manto e o núcleo.

Acessar diretamente esses antigos cemitérios de cristais está além de nossas capacidades atuais, pois eles estão localizados muito profundamente para amostragem direta. Além disso, se esses cristais alguma vez chegassem à superfície da Terra, eles provavelmente passariam por um processo de derretimento e solidificação, deixando apenas vestígios fracos de suas origens nas rochas vulcânicas que alcançam a crosta terrestre.

A Groenlândia surgiu como um local chave na busca por evidências do passado fundido da Terra. O cinturão supracrustal de Isua, no sudoeste da Groenlândia, conhecido por ser um local geológico significativo, foi onde as amostras em questão se originaram. À primeira vista, as rochas desta área se assemelham ao basalto moderno encontrado no fundo do mar. No entanto, essas rochas estão entre as mais antigas do mundo, estimadas entre 3,7 e 3,8 bilhões de anos.

Na análise das rochas de Isua, assinaturas únicas de isótopos de ferro foram identificadas. Essas assinaturas indicaram que a região do manto de onde essas rochas se originaram havia sido submetida a pressões extremamente altas, mais de 700 quilômetros abaixo da superfície da Terra. Essa profundidade alinha-se com onde os minerais formados durante a cristalização do oceano de magma teriam estado situados.

A jornada dessas rochas para a superfície da Terra envolve um processo complexo. Quando regiões do manto semi-sólido da Terra aquecem e derretem, elas sobem em direção à crosta, eventualmente produzindo rochas vulcânicas quando o magma atinge a superfície e esfria. Ao examinar a química dessas rochas de superfície, os cientistas podem deduzir a composição do material que derreteu para formá-las.

A composição isotópica das rochas de Isua revelou que sua ascensão à superfície envolveu várias etapas de cristalização e derretimento dentro do planeta, uma espécie de processo de destilação. No entanto, apesar dessa jornada complexa, as rochas encontradas na Groenlândia atual retêm assinaturas químicas que as ligam ao passado coberto de magma da Terra.

Esta pesquisa oferece algumas das primeiras evidências geológicas diretas de cristais de oceanos de magma em rochas vulcânicas na superfície da Terra. O próximo passo é determinar se outras rochas vulcânicas antigas ao redor do mundo podem fornecer mais informações sobre os antigos oceanos de magma da Terra ou se as descobertas na Groenlândia representam uma anomalia geológica única. Os pesquisadores também estão considerando pontos quentes vulcânicos modernos, como Havaí e Islândia, como fontes potenciais para mais descobertas isotópicas que poderiam lançar luz sobre o passado antigo e coberto de magma da Terra. A possibilidade de encontrar mais rochas primordiais no futuro tem o potencial de aprofundar nosso entendimento dos começos voláteis e ardentes da Terra.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.