Perfuraram a poeira para encontrar uma antiga galáxia fantasmagórica

por Lucas
0 comentário

O Telescópio Espacial James Webb (JWST) capturou uma imagem única da galáxia AzTECC71, uma galáxia distante e obscurecida por poeira do início do universo. Localizada aproximadamente 900 milhões de anos após o Big Bang, essa galáxia representa uma era em que o universo estava começando a formar suas primeiras estrelas, muito antes da criação do nosso sistema solar.

Apesar de aparecer apenas como uma pequena mancha turva na visão do JWST, ela contrasta significativamente com outras imagens mais nítidas de galáxias e aglomerados capturadas pelo telescópio. Esta descoberta destaca a possível existência de muitas outras galáxias semelhantes que permaneceram ocultas até agora.

O autor do estudo, Jed McKinney da Universidade do Texas em Austin, expressa entusiasmo com essa descoberta, observando a possibilidade de uma população inteira de galáxias que escapou da detecção. Essa observação sugere que o universo inicial pode ter sido mais poeirento do que se supunha anteriormente, fornecendo novos insights sobre sua evolução desde o Big Bang, há cerca de 13,8 bilhões de anos.

A Trajetória da AzTECC71 Através de Diversos Telescópios

A jornada da AzTECC71 através da observação astronômica começou como uma mancha indistinta de luz capturada pelo Telescópio James Clerk Maxwell no Havaí. Posteriormente, foi observada pelo telescópio de rádio ALMA no Chile, mas parecia desaparecer nas imagens tiradas pelo Telescópio Espacial Hubble. Segundo McKinney, apesar de sua aparência modesta, a AzTECC71 é uma galáxia extremamente ativa, formando centenas de novas estrelas anualmente.

Em um esforço internacional para mapear as estruturas mais antigas do universo, McKinney e sua equipe utilizaram o JWST para localizar a AzTECC71. O JWST, com suas avançadas capacidades infravermelhas, é projetado para penetrar nas nuvens densas de poeira que caracterizam o início do universo. Antes do JWST, galáxias como a AzTECC71 eram quase impossíveis de detectar. A luz das estrelas dentro dessas galáxias envoltas em poeira é absorvida em comprimentos de onda ópticos pelo próprio pó e reemitida em comprimentos de onda mais longos e mais fracos, que o JWST pode detectar. Curiosamente, cerca de uma em cada cinco dessas galáxias permaneceu invisível para o Telescópio Hubble, contribuindo para uma categoria conhecida como “galáxias escuras do Hubble”.

McKinney aponta que o entendimento histórico da evolução das galáxias está enviesado, pois as observações anteriores capturavam predominantemente galáxias não obscurecidas e menos poeirentas. A capacidade do JWST de espiar os confins mais profundos do universo e através de densas nuvens de poeira está prestes a revolucionar nosso entendimento da formação e evolução das galáxias.

Esta pesquisa sobre a AzTECC71 e o início do universo foi detalhada em um artigo publicado em outubro no The Astrophysical Journal. A equipe planeja continuar descobrindo galáxias fracas e ocultas usando dados do JWST, aprimorando nossa compreensão da história e estrutura do universo.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.