Placa tectônica indiana está se dividindo em duas

por Lucas
0 comentário 76 visualizações

O crescimento das montanhas mais altas do mundo, incluindo o Himalaia, é impulsionado por processos que ocorrem profundamente sob a superfície da Terra. Geólogos têm teorias sobre esses mecanismos, mas há um debate contínuo sobre os detalhes específicos. Novos dados sísmicos do sul do Tibete oferecem insights sobre essas forças titânicas.

Na conferência da União Geofísica Americana em São Francisco, pesquisadores dos EUA e da China apresentaram descobertas sobre a interação entre as placas tectônicas indiana e eurasiana. Suas pesquisas revelam uma desintegração da placa continental indiana à medida que ela interage com a placa eurasiana. Este processo é central para entender a formação do planalto tibetano e do Himalaia.

A colisão das placas crustais indiana e eurasiana é um fator chave. Esse processo começou aproximadamente 60 milhões de anos atrás, com a placa indiana sendo impulsionada sob a placa eurasiana por correntes do manto. Esse movimento elevou gradualmente a massa de terra eurasiana, resultando na formação das elevações mais altas da Terra.

Contrariamente às expectativas, a placa continental indiana, que é relativamente flutuante, não afunda facilmente. Acredita-se que seções submersas da crosta ainda estão se movendo sob a placa eurasiana, em vez de serem totalmente subduzidas no manto. Outra teoria sugere que a placa indiana está se distorcendo, fazendo com que partes se dobrem e outras afundem.

Pesquisadores, liderados pelo geofísico da Ocean University of China, Lin Liu, coletaram dados sísmicos de 94 estações sísmicas de banda larga no sul do Tibete. Eles combinaram esses dados de ondas S ‘para cima e para baixo’ e divisão de ondas de cisalhamento com dados de ondas P ‘para frente e para trás’ para uma visão abrangente da dinâmica sub-superfície.

O estudo revelou que a placa indiana não está deslizando suavemente sob a placa eurasiana, nem está se acumulando uniformemente. Em vez disso, está se descolando. A base densa da placa indiana está se desprendendo e afundando no manto, enquanto a parte superior mais leve continua seu movimento logo abaixo da superfície.

Essa descoberta de delaminação da placa fornece evidências empíricas que apoiam modelos de computador que previram tais ocorrências em seções mais espessas de placas tectônicas. As observações da equipe estão alinhadas com modelos geológicos baseados em água de nascente enriquecida com hélio-3, e padrões de fraturas e terremotos perto da superfície. Esses modelos sugerem um cenário complexo abaixo da superfície, onde partes da antiga placa indiana permanecem intactas enquanto outras estão se rasgando em profundidades de cerca de 100 quilômetros.

O mapeamento 3D das fronteiras e bordas das placas à medida que interagem tem implicações além do entendimento geológico. Ele pode ajudar na compreensão da formação da superfície da Terra e pode contribuir para o desenvolvimento de métodos futuros de previsão de terremotos.

O estudo foi apresentado na conferência da União Geofísica Americana de 2023. Uma cópia prévia do estudo está disponível online.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.