Por que às vezes damos um ‘pulo violento’ de antes de dormir?

por Lucas
0 comentário 174 visualizações

Mark Wu, professor de neurologia na Escola de Medicina Johns Hopkins e clínico de medicina do sono no Hospital Johns Hopkins, oferece insights sobre um fenômeno comum do sono conhecido como espasmos hipnagógicos ou sobressaltos do sono. São contrações musculares involuntárias que ocorrem quando uma pessoa está transitando do estado de vigília para o sono. Podem ser sentidos em um ou vários músculos e frequentemente acompanhados por várias sensações, como a sensação de queda. Esse fenômeno não é exclusivo dos humanos; também é observado em animais, como cães.

Espasmos hipnagógicos são bastante comuns e geralmente não são motivo de preocupação. Estima-se que 60 a 70% das pessoas os experimentem. Essas contrações podem ocorrer em indivíduos de todas as idades, incluindo crianças e idosos. Eles nem sempre acordam a pessoa que os está experienciando. Fatores como estresse, privação de sono e uso excessivo de cafeína podem provocar ou exacerbar essas contrações.

A causa exata dos espasmos hipnagógicos não é definitivamente conhecida, mas os cientistas acreditam que estão relacionados a mudanças na excitabilidade cerebral durante a transição do estado de vigília para o sono. O cérebro é mais do que apenas o córtex cerebral, que é a grande estrutura enrugada que se assemelha a uma luva de boxe. Inclui também o tronco encefálico, uma estrutura pequena e tubular que conecta o córtex à medula espinhal e controla processos vitais como respiração e ritmos cardíacos. Acredita-se que atividades instáveis na região do tronco encefálico ao adormecer desencadeiam os espasmos hipnagógicos.

Em um estado de vigília relaxada, quando os olhos estão fechados e o corpo está calmo, as ondas cerebrais exibem frequências rápidas misturadas e um ritmo alfa dominante que é estável. Ao transitar para o sono, esse ritmo alfa começa a se desorganizar e as ondas cerebrais geralmente começam a desacelerar. É neste momento que uma pessoa pode experienciar uma contração que a desperta.

Outra teoria postula que os espasmos hipnagógicos podem ser considerados um vestígio evolutivo dos tempos em que nossos ancestrais humanos viviam em árvores. Durante essa fase da evolução humana, a habilidade de acordar rapidamente em resposta a sinais de perigo era crucial para a sobrevivência, especialmente para evitar quedas das árvores durante o sono. A teoria sugere que esses espasmos são uma herança desse mecanismo primitivo de alerta. Ao dormir em locais elevados e potencialmente perigosos, uma reação rápida ao menor sinal de desequilíbrio ou queda poderia ser a diferença entre a vida e a morte. Assim, os espasmos hipnagógicos podem ser uma resposta involuntária do corpo, um eco de um passado distante, onde agir rapidamente contra a gravidade era essencial para evitar quedas de locais altos durante o repouso.

Espasmos hipnagógicos são frequentemente acompanhados por sintomas sensoriais, que tendem a causar mais preocupação do que as próprias contrações. Esses sintomas incluem a sensação de queda, ver um clarão de luz brilhante, fragmentos de um sonho, formigamento elétrico ou calor percorrendo o corpo, seja nos membros ou no tronco. Essas sensações podem ocorrer com ou sem contrações.

Um tipo particular de sobressalto sensorial do sono é conhecido como síndrome da cabeça explodindo. Isso envolve o paciente ouvir um estrondo alto dentro da cabeça ao adormecer, frequentemente acompanhado de sensações de um choque elétrico subindo pela espinha. Essas sensações são perturbadoras e podem dificultar a capacidade de adormecer novamente. A síndrome da cabeça explodindo não causa dor ou dor de cabeça, mas pode induzir ansiedade e angústia. Para diagnosticá-la, são feitas perguntas para diferenciá-la de outras condições, como transtornos de dor de cabeça noturnos, que são dolorosos, ou transtorno de estresse pós-traumático, onde sons altos ocorrem durante flashbacks.

Em um caso, os sintomas da síndrome da cabeça explodindo de um paciente foram melhorados com a garantia de que a sensação não era prejudicial e o uso a curto prazo de um auxílio para dormir. A condição foi provavelmente desencadeada por um aumento do estresse. Embora as causas da síndrome da cabeça explodindo não sejam totalmente compreendidas, acredita-se que compartilhem mecanismos semelhantes com os espasmos hipnagógicos.

Geralmente, essas sensações não requerem tratamento médico, a menos que estejam causando ansiedade e insônia. Para prevenção e manejo, recomenda-se otimizar a higiene do sono. Isso inclui reduzir o estresse, manter um horário regular de sono com duração adequada de sono (pelo menos sete horas para o adulto médio) e limitar a ingestão de cafeína e nicotina, que podem piorar a qualidade do sono.

Se uma pessoa experimenta sono significativamente perturbado ou sonolência excessiva durante o dia devido a espasmos hipnagógicos, é aconselhável consultar um médico especialista em medicina do sono para uma avaliação. No entanto, na maioria dos casos em que um espasmo acorda alguém, o curso de ação sugerido é simplesmente tentar voltar a dormir.

Fonte: Washington Post

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.