Relâmpagos de Catatumbo: O que causa a tempestade que ‘nunca termina’?

por Lucas
0 comentário 155 visualizações

A convergência do Rio Catatumbo com o Lago de Maracaibo na Venezuela é conhecida como a capital mundial dos relâmpagos. Esta convergência geográfica e climática facilita tempestades noturnas, particularmente intensas em setembro. O fenômeno, conhecido como relâmpagos de Catatumbo ou farol de Maracaibo, é caracterizado por sua regularidade, ocorrendo em quase metade dos dias do ano. Os povos indígenas, reconhecendo sua importância, chamaram-no de “ploi”.

As condições únicas da área promovem uma taxa extraordinária de atividade de relâmpagos. Com uma média de 250 descargas de relâmpagos por quilômetro quadrado anualmente, a região registra cerca de 1,6 milhão de raios por ano. Esses raios são concentrados em 140-160 dias, com cada dia testemunhando sete a oito horas de atividade contínua de relâmpagos. Essa intensidade levou a região a ser registrada no Guinness World Records pela sua frequência sem paralelo de relâmpagos.

A NASA e outras organizações científicas estudaram extensivamente os relâmpagos do Catatumbo. A alta frequência do fenômeno é atribuída à interação do ar úmido do Mar do Caribe com o ar mais frio da montanha. Essa interação gera cargas estáticas que culminam em descargas de relâmpagos. Nas noites em que o Farol de Maracaibo está mais ativo, conhecidas como noites de “rio de fogo”, o céu é iluminado quase tão brilhantemente quanto o dia, com uma média de 28 raios por minuto.

O relâmpago constante representa riscos significativos para a população local. Ángel G. Muñoz, físico e pesquisador da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), destacou o perigo, observando o alto número de fatalidades a cada ano devido aos relâmpagos. A natureza intensa e contínua do fenômeno significa que ele pode iluminar os arredores, criando um ambiente quase surreal.

Relâmpagos de Catatumbo

Joaquín Díaz-Lobatón, físico e pesquisador do Centro de Modelado Científico na Universidade del Zulia na Venezuela, descreve a experiência de testemunhar o fenômeno como avassaladora, onde o medo é superado pela pura grandiosidade do evento.

Os observadores mais próximos deste espetáculo natural são os moradores de uma aldeia construída sobre estacas perto do lago. Esta comunidade, composta principalmente por cerca de 20.000 pescadores, muitas vezes reside em barracos de lata, colocando-os em considerável risco durante eventos de relâmpagos. Entender e prever os relâmpagos do Catatumbo não é apenas de interesse científico, mas também crítico para a segurança desses habitantes locais.

Para obter uma visão mais profunda dos relâmpagos do Catatumbo, pesquisadores empregaram balões meteorológicos sobre o Lago de Maracaibo. Esses balões forneceram dados valiosos, revelando que os relâmpagos são causados pela colisão do ar quente e úmido do Caribe com o ar mais frio da montanha, levando à formação de cargas estáticas e subsequentes descargas de relâmpagos.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.