Rocha espacial repleta de cristais encontrada no Saara pode reescrever a história do sistema solar

por Lucas
0 comentário 5 visualizações

Em maio de 2020, uma descoberta no mar de areia Erg Chech do Deserto do Saara, no sul da Argélia, revelou rochas incomuns contendo cristais esverdeados distintos. Essas rochas, originárias do espaço sideral, foram identificadas como pedaços de destroços com bilhões de anos, remanescentes do início do sistema solar. Eram partes de um meteorito chamado Erg Chech 002, distinguido como a rocha vulcânica mais antiga já descoberta, tendo se formado a partir do material fundido de um antigo protoplaneta agora extinto.

Pesquisas recentes, detalhadas na Nature Communications, envolveram a análise de isótopos de chumbo e urânio no Erg Chech 002. Esta análise resultou em uma idade de aproximadamente 4,56556 bilhões de anos, com uma margem de erro de cerca de 120.000 anos. Esta determinação de idade está entre as mais precisas para qualquer objeto espacial e também desafia algumas teorias predominantes sobre o início do sistema solar.

A formação do sistema solar, cerca de 4,567 bilhões de anos atrás, ocorreu a partir de uma vasta nuvem de gás e poeira. Dentro desta nuvem havia alumínio em duas formas: alumínio-27 estável e alumínio-26 radioativo, este último predominantemente produzido por supernovas. O alumínio-26 decai em magnésio-26 ao longo do tempo, tornando-o uma ferramenta valiosa para datar eventos do início do sistema solar, especialmente nos primeiros milhões de anos.

O decaimento do alumínio-26 também desempenhou um papel crucial no início do sistema solar como uma fonte primária de calor. Esse decaimento influenciou o derretimento de rochas primitivas, que eventualmente se coalesceram em planetas. Compreender a distribuição do alumínio-26, seja ela uniforme ou concentrada em certas áreas, é essencial para interpretar o passado. Para alcançar isso, é necessário determinar as idades absolutas precisas de rochas espaciais antigas.

Somente o alumínio-26 é insuficiente para a determinação da idade absoluta devido ao seu decaimento relativamente rápido – metade de uma amostra decai em magnésio-26 em cerca de 705.000 anos. Portanto, é necessário combinar dados de alumínio-26 com dados de urânio e chumbo. O urânio existe em dois isótopos principais, urânio-235 e urânio-238, que decaem em chumbo-207 e chumbo-206, respectivamente. Suas meias-vidas muito mais longas (710 milhões de anos para urânio-235 e 4,47 bilhões de anos para urânio-238) permitem datar com precisão eventos passados.

Erg Chech 002 é classificado como um “acôndrito não agrupado”, um tipo de rocha formada a partir do material fundido de planetesimais no início do sistema solar. Os acôndritos têm várias fontes; muitos pertencem ao clã Howardite-Eucrite-Diogenite, ligado a Vesta 4, um grande asteroide. Outro grupo, os angritos, compartilha um corpo parental comum, mas não identificado. Acôndritos não agrupados como Erg Chech 002 têm corpos parentais e relações familiares desconhecidos.

Ao estudar o Erg Chech 002, os pesquisadores notaram uma alta abundância de chumbo-206 e chumbo-207, juntamente com quantidades significativas de urânio-238 e urânio-235 não decaídos. Medir as razões desses isótopos permitiu a estimativa precisa da idade da rocha. Comparações foram feitas com dados de alumínio-26 do Erg Chech 002 e outros acôndritos.

Uma comparação notável envolveu angritos vulcânicos. As descobertas indicaram que o corpo parental do Erg Chech 002 tinha três a quatro vezes mais alumínio-26 do que a fonte do corpo parental dos angritos. Essa disparidade sugere que o alumínio-26 não estava distribuído uniformemente pelo início do sistema solar.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.