Seus pais provavelmente viram os restos do Big Bang na TV

por Lucas
0 comentário O Big Bang não é uma explosão

Em 1964, os físicos Arno Allan Penzias e Robert Woodrow Wilson, enquanto trabalhavam com um radiotelescópio nos Laboratórios Bell, encontraram um ruído de fundo persistente. Esse ruído, semelhante ao estático de um rádio, estava presente independentemente da direção para a qual o telescópio estava apontado.

Inicialmente, Penzias e Wilson consideraram várias fontes terrestres como a causa potencial, incluindo problemas com o próprio telescópio, interferência eletrônica urbana e até uma população de pombos aninhados na antena do telescópio. Esforços foram feitos para eliminar essas fontes: os pombos foram removidos e outras formas potenciais de interferência foram sistematicamente descartadas. Apesar dessas medidas, o ruído persistiu.

A significância desse ruído não foi imediatamente aparente. Ele havia sido detectado por outros astrônomos antes de Penzias e Wilson, mas foi amplamente descartado como interferência inconsequente. No entanto, a ubiquidade desse ruído, detectável por múltiplos telescópios e em todas as direções, apontava para uma origem mais profunda. Esse ruído de fundo foi eventualmente identificado como a radiação cósmica de fundo em micro-ondas (CMB).

O que é a radiação cósmica de fundo?

Seus pais provavelmente viram os restos do Big Bang na TV

O CMB é entendido como a radiação térmica residual do Big Bang, fracamente detectável e onipresente em todo o universo conhecido. Sua descoberta por Penzias e Wilson tornou-se um momento crucial na astrofísica, fornecendo evidências substanciais para a teoria do Big Bang. Pela descoberta e suas implicações no entendimento das origens do universo, Penzias e Wilson foram premiados com o Nobel de Física.

O fundo cósmico de micro-ondas é detectável não apenas através de radiotelescópios sofisticados. Ele também foi inadvertidamente observado pelo público geral através de televisões e rádios analógicos. Na era da transmissão analógica, quando uma televisão não estava sintonizada em um canal específico, um padrão visível de estática aparecia na tela. Esse fenômeno, comum entre os canais, foi parcialmente devido à radiação cósmica de fundo em micro-ondas, embora a maior parte da estática fosse causada por outras formas de interferência. A radiação cósmica de fundo em micro-ondas existe principalmente no comprimento de onda de micro-ondas, daí seu nome. Rádios analógicos, similarmente, podiam captar aspectos dessa radiação como ruído de fundo.

Com a transição para a transmissão digital, a experiência direta de observar vestígios do Big Bang através de dispositivos analógicos diminuiu. As televisões e rádios digitais modernos não são projetados para captar e exibir o fundo cósmico de micro-ondas, distanciando assim o público contemporâneo dessa observação não intencional e indireta de fenômenos cósmicos.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.