Tumba pré-histórica colossal foi a ‘maior façanha de engenharia’ da Idade da Pedra

por Lucas
0 comentário 3 visualizações

Um estudo recente revelou que o dólmen de Menga, um enorme monte funerário no sul da Espanha, é uma estrutura notável do período Neolítico. Construído há aproximadamente 5.700 anos, abriga os restos de várias centenas de indivíduos antigos. O dólmen de Menga destaca-se não só pela sua importância histórica, mas também pelo seu feito arquitetônico.

Os Mistérios da Construção de Menga

O elemento central das características impressionantes de Menga é seu capstone, pesando 150 toneladas, tornando-o a segunda maior pedra usada em dólmenes Neolíticos. Esse fato por si só marca a estrutura como uma façanha de engenharia significativa da época na Europa. No entanto, não é apenas o tamanho das pedras que impressiona; a escolha do material e as técnicas de construção também são fascinantes.

Pesquisadores, utilizando análise petrográfica e estratigráfica avançada, identificaram o material de construção primário como calcarenitos, um tipo de pedra macia. Essas pedras, delicadas e difíceis de transportar, exigiam imensa habilidade e planejamento. O estudo sugere que os antigos construtores de Menga tiveram que investir pesadamente não apenas em trabalhos em pedra, mas também em marcenaria e fabricação de cordas. A escala de mão de obra e organização envolvida nessas atividades destaca a proeza técnica do povo Neolítico.

Tumba pré-histórica colossal foi a 'maior façanha de engenharia' da Idade da Pedra

O posicionamento de Menga é outro aspecto de seu design que intrigou os pesquisadores. Situado no topo de uma colina, o túmulo está alinhado estrategicamente com a montanha próxima, conhecida como “Rocha dos Amantes”, e o nascer do sol. Esse alinhamento resulta em um jogo complexo de luz e sombra dentro do túmulo, sugerindo um possível significado cerimonial ou astronômico. A localização, logo abaixo da fonte da pedreira, também facilitou o transporte ladeira abaixo das rochas maciças, enquanto o substrato estável do topo da colina oferecia uma fundação segura para o monumento.

Uma solução inovadora também foi empregada para proteger as pedras porosas de danos causados pela água. Os construtores isolaram as maiores pedras com túmulos, consistindo de camadas de arenitos planos e terra comprimida. Esse método de construção reflete um profundo entendimento dos materiais e dos desafios ambientais.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.