83 anos atrás, a cripta da civilização foi selada

por Lucas
0 comentário 60 visualizações

A Cripta da Civilização, uma cápsula do tempo pioneira, foi selada há 83 anos e está programada para ser aberta no ano de 8113 EC. Este conceito foi criado pelo Dr. Thornwell Jacobs, que, influenciado por seus estudos sobre o Egito antigo, reconheceu a escassa quantidade de informações precisas que sobreviveram das civilizações antigas. Sua revelação foi que muito do que sabemos sobre o Egito antigo provém de um número limitado de fontes, principalmente as pirâmides e algumas tábuas inscritas descobertas na antiga Assíria.

Jacobs percebeu a criação de uma cápsula do tempo como um “dever arqueológico”, um meio de preservar registros da vida contemporânea para futuras civilizações. Isso levou à criação da primeira cápsula do tempo moderna, termo que ele cunhou. O local escolhido para este empreendimento foi o Phoebe Hearst Hall na Universidade de Oglethorpe, na Geórgia, onde Jacobs atuou como presidente. A cápsula, construída em uma piscina reutilizada, tinha a intenção de ser um vasto repositório de artefatos e conhecimentos dos anos 1930 e dos 6.000 anos anteriores.

Projetada para espelhar a tumba de um faraó, a cripta continha vários itens, incluindo gravações do clarinetista dos anos 1930 Artie Shaw, filmes documentando eventos desde 1898, e 100 livros em microfilme. Objetos do dia a dia, como um modelo do Pato Donald, também foram incluídos. Notavelmente ausentes estavam itens de valor material como ouro ou joias.

Um abrangente “livro de registros” foi colocado dentro da cápsula para explicar os itens e seus propósitos, atendendo a quem quer que a descobrisse no futuro, seja humanos futuros ou hipoteticamente cães hiperinteligentes. A seleção de itens de Jacobs refletia as normas culturais e sociais da época, bem como seus próprios preconceitos, potencialmente distorcendo a representação da América dos anos 1930.

Paul Hudson, co-fundador da Sociedade Internacional da Cápsula do Tempo na Universidade de Oglethorpe, descreveu a cripta como vibrante e quase animada, transcendendo as vidas individuais e coletivas. Ele imaginou a emoção e o interesse de um antropólogo cultural em 8113 ao abrir a cripta, onde até itens mundanos como fio dental teriam um interesse significativo.

Reconhecendo a possível barreira linguística entre os criadores da cápsula e seus futuros descobridores, Jacobs incluiu um “integrador de línguas” na cápsula. Este dispositivo manual emparelhava imagens de objetos com seus nomes em inglês e pronúncias fonográficas correspondentes, visando a transpor a divisão linguística.

A data escolhida para a abertura da cápsula, 8113 EC, era simbólica. Jacobs calculou que 6.177 anos haviam se passado desde a concepção do calendário egípcio em 1936, o ano em que ele concebeu a ideia da cápsula do tempo. Seu objetivo era marcar o ponto médio entre os antigos egípcios e a futura civilização que desenterraria a cripta.

O selamento da cripta ocorreu quatro anos após Jacobs conceber a ideia, durante a Segunda Guerra Mundial. Esse ato contrastava fortemente com a turbulência global da época, oferecendo um vislumbre de esperança e continuidade. Jacobs deixou uma nota pungente na cripta, refletindo sobre o paradoxo do legado duradouro da humanidade em meio ao cenário contemporâneo de conflito global: “O mundo está empenhado em enterrar nossa civilização para sempre, e aqui nesta cripta a deixamos para vocês.”

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.