Arqueólogos descobrem uma linguagem secreta de 3.000 anos

por Lucas
0 comentário 57 visualizações

Em uma descoberta surpreendente na Turquia, arqueólogos desenterraram um texto misterioso entre milhares de antigas tábuas de argila. Datando do segundo milênio a.C., durante a era do Império Hitita, este novo script é um enigma que cativou especialistas em todo o mundo.

As tábuas, inscritas em cuneiforme, um script usado durante o período hitita, contêm uma língua ainda não identificada. Este script parece ter mais de 3.000 anos e suas características únicas o diferenciam de outras línguas antigas do Oriente Médio. Embora compartilhe algumas conexões com línguas anatólio-indo-europeias, sua natureza exata ainda está envolta em mistério.

Curiosamente, o script desconhecido segue um texto de ritual cultico em hitita, a língua indo-europeia mais antiga conhecida. A parte introdutória traduz-se para “De agora em diante, leia na língua do país de Kalašma.” Kalašma, uma sociedade da Idade do Bronze, provavelmente localizava-se na borda noroeste do vasto Império Hitita na antiga Anatólia, longe de Hattusa, a capital do império, onde esta tábua foi encontrada.

Andreas Schachner, chefe das Escavações Arqueológicas das Ruínas de Hattusa, expressou o significativo peso desta descoberta ao manusear a tábua pela primeira vez. Notavelmente, esta tábua destaca-se pela sua excepcional preservação entre mais de 25.000 outras encontradas na região, agora conhecida como Boğazköy, na Turquia.

Por mais de um século, um esforço colaborativo de historiadores, arqueólogos e linguistas está em andamento para desvendar o extenso arquivo de Hattusa. Este arquivo inclui tratados reais, correspondências políticas e textos legais e religiosos, predominantemente em cuneiforme hitita. O local também revelou tábuas em outras línguas, refletindo os diversos grupos étnicos sob o Império Hitita, que floresceu de 1650 a 1200 a.C.

Esta descoberta de uma língua adicional é emocionante, embora não totalmente inesperada, segundo especialistas. Daniel Schwemer, um especialista no assunto, observa a predileção dos hititas por registrar rituais em várias línguas. Esta prática não era apenas acadêmica, mas também política e religiosa. O Império Hitita, conhecido por venerar inúmeras divindades, provavelmente adotou novas religiões de terras conquistadas para integrar novos súditos e ganhar sua lealdade.

Tülin Cengiz, uma historiadora da antiga Anatólia, aponta que os arquivos reais hititas referenciam deuses adorados até na Síria e Mesopotâmia. Esta abordagem inclusiva sugere uma cultura de tolerância dentro do império. O reino hitita aparentemente visava apaziguar suas entidades divinas, assegurando o bem-estar de seus súditos em troca.

Tabuleta de argila detalhando o Tratado de Cades, descoberta em Boğazköy, Turquia.

Os arquivos do Império provavelmente serviram para reforçar o culto estatal e detalhar a reverência devida às suas inúmeras divindades. Ao adotar várias ideias, sistemas de escrita, tradições e religiões, os hititas expandiram sua influência. Notavelmente, os Kalašmans, um grupo associado a esses escritos recém-descobertos, lutaram ao lado dos hititas contra os egípcios em 1274 a.C.

Fotos da tábua com inscrições Kalašmaicas ainda não foram divulgadas, já que os especialistas ainda estão decifrando a língua. Schwemer e sua equipe planejam publicar suas descobertas, incluindo imagens da tábua, no próximo ano.

A expectativa é alta, pois estudiosos e entusiastas aguardam ansiosamente para descobrir quais segredos esta antiga tábua pode revelar sobre uma língua e cultura há muito esquecidas.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.