As células mais misteriosas do nosso corpo não nos pertencem

por Lucas
0 comentário 126 visualizações

O fenômeno do microquimerismo, observado por Diana Bianchi há cerca de 24 anos, revela a presença de células cromossomicamente distintas dentro de um indivíduo. Em um caso específico, Bianchi, agora diretora do Instituto Nacional Eunice Kennedy Shriver de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano dos EUA, encontrou cromossomos Y na tireoide de uma mulher cromossomicamente XX. Essa descoberta foi ligada a uma gravidez passada com um embrião masculino. As células masculinas migraram para a tireoide da mãe e outros órgãos, integrando-se e funcionando em harmonia com as células femininas.

O microquimerismo é um evento comum, começando tão cedo quanto quatro ou cinco semanas de gestação. Células embrionárias se dispersam pelo corpo da mãe, se estabelecendo em vários órgãos, incluindo coração, pulmões, seios, cólon, rins, fígado e cérebro. Essas células podem persistir e se dividir por décadas ou potencialmente por toda a vida, se integrando ao hospedeiro. J. Lee Nelson, do Centro de Câncer Fred Hutchinson em Seattle, compara isso ao transplante de órgãos original da evolução. Além disso, essa transferência celular é bidirecional, onde células fetais entram nos tecidos maternos e vice-versa, levando a uma interligação genética que pode incluir células de irmãos mais velhos ou parentes maternos.

O conceito de microquimerismo se estende à ideia de que indivíduos são mosaicos biológicos de seus parentes, carregando células de vários membros da família. Esse fenômeno não é exclusivo dos humanos, mas também é observado em outros mamíferos, como ratos, vacas, cães e primatas. Nestes casos, células microquiméricas estão frequentemente presentes em concentrações tão baixas quanto uma em 1 milhão, tornando sua detecção desafiadora.

O papel dessas células microquiméricas tem sido debatido. Alguns cientistas duvidam de seu impacto devido à sua presença esparsa e inconsistente, enquanto outros acreditam que elas desempenham papéis significativos na saúde. Essas células misteriosas, sendo geneticamente distintas, têm suas motivações evolutivas e podem influenciar a suscetibilidade a doenças, o sucesso da gravidez e possivelmente o comportamento. Pesquisas sugerem que essas células podem ajudar no ajuste fino do sistema imunológico, auxiliar na aceitação de transplantes de órgãos e potencialmente influenciar a fertilidade e a saúde materna.

Em ratos, estudos de Sing Sing Way, imunologista e pediatra no Hospital Infantil de Cincinnati, indicam que o microquimerismo herdado durante a gestação pode fortalecer o sistema imunológico contra vírus e auxiliar em gravidezes bem-sucedidas. Além disso, William Burlingham, especialista em transplantes, observou um caso em que o corpo de um paciente aceitou um rim transplantado de sua mãe, possivelmente devido à presença das células da mãe em seu sangue.

David Haig, biólogo evolutivo da Harvard, propõe que células fetais podem influenciar o comportamento materno e a alocação de recursos, como aumentar a atenção ou a produção de leite. Elas também podem afetar a fertilidade da mãe, potencialmente espaçando os nascimentos para um cuidado mais focado para cada criança. Essa ideia se estende a gravidezes subsequentes, onde células fetais podem ajustar a absorção de nutrientes com base na relação genética com a prole anterior.

Os benefícios do microquimerismo para as mães, no entanto, são mais ambíguos. Amy Boddy, antropóloga biológica da UC Santa Barbara, sugere que as células embrionárias podem reduzir as chances de aborto espontâneo ou nascimentos de alto risco, ajudando o corpo da mãe a tolerar o tecido do feto. Essas células também podem facilitar futuras gravidezes, particularmente com o mesmo parceiro. Após o parto, essas células podem continuar influenciando a saúde da mãe, possivelmente impactando a gravidade de doenças autoimunes.

Nathalie Lambert, do Instituto Nacional Francês de Saúde e Pesquisa Médica, descobriu em experimentos com ratos que células fetais podem produzir anticorpos que atacam células maternas. No entanto, J. Lee Nelson observa que essas células também podem proteger contra a autoimunidade, citando casos em que condições como artrite reumatoide melhoraram durante e após a gravidez.

A presença de células fetais em mães tem sido associada a ataques cardíacos, diabetes e até a formação de tumores, mas seu papel exato – causativo, reparador ou neutro – ainda está em investigação. Essa ambiguidade decorre da raridade e da natureza elusiva das células microquiméricas, tornando-as difíceis de estudar de forma abrangente.

Apesar desses desafios, as potenciais aplicações do microquimerismo em tratamentos médicos são vastas. Por exemplo, infundir pacientes de transplante de órgãos com células da mãe pode auxiliar na aceitação do tecido. Terapias baseadas no microquimerismo também podem aliviar complicações em gravidezes de alto risco e melhorar condições para barrigas de aluguel. As propriedades semelhantes às de células-tronco dessas células abrem caminhos para tratar doenças genéticas in utero.

No entanto, ainda existem questões não resolvidas sobre o microquimerismo. A interação entre diferentes fontes de células microquiméricas e sua potencial competição por dominância pode impactar futuras terapias. A quantidade exata de células microquiméricas necessárias para influenciar a saúde permanece desconhecida, como observado por Kristine Chua, antropóloga biológica da UCSB.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.