Cientistas encontram cerca de 250 mil partículas nanoplásticas invisíveis em um litro de água engarrafada

por Junior
0 comentário 140 visualizações

O estudo de nanoplásticos em água engarrafada revelou descobertas significativas, com pesquisas recentes realizadas por cientistas das universidades de Columbia e Rutgers desempenhando um papel crucial na compreensão da prevalência e natureza dessas partículas. Utilizando um microscópio a laser duplo, o primeiro do seu tipo em tal pesquisa, o estudo oferece novos insights sobre a composição e quantidade de partículas nanoplásticas em marcas comuns de água engarrafada.

Nanoplásticos, definidos como partículas menores que um micron, têm sido um tópico de interesse para cientistas há algum tempo. No entanto, até este estudo, o número exato e o tipo dessas partículas em água engarrafada permaneciam amplamente desconhecidos. A equipe de pesquisa analisou cinco amostras de cada uma das três marcas de água engarrafada mais vendidas, descobrindo contagens de partículas variando de 110.000 a 400.000 por litro, com uma média de cerca de 240.000. Essa descoberta contrasta fortemente com estudos anteriores que se concentraram em microplásticos um pouco maiores, variando de 5 milímetros visíveis a um micron de tamanho.

A metodologia do estudo é notável. Cerca de 15 anos atrás, Wei Min, um químico físico de Columbia, inventou a tecnologia de microscópio a laser duplo que identifica compostos específicos com base em suas propriedades químicas e como eles ressoam quando expostos a lasers. Essa tecnologia foi fundamental para permitir que os pesquisadores identificassem e contassem nanoplásticos anteriormente muito pequenos para serem detectados usando métodos convencionais. Os pesquisadores Beizhan Yan e Naixin Qian, em colaboração com Min, aplicaram essa técnica inovadora ao campo da pesquisa em plásticos, especificamente visando água engarrafada.

A fonte desses nanoplásticos parece ser dupla. Grande parte do plástico detectado parece se originar das próprias garrafas e dos filtros de membrana de osmose reversa usados no processo de engarrafamento. Esses filtros, normalmente empregados para remover outros contaminantes, ironicamente contribuem para o conteúdo de nanoplásticos. As marcas específicas de água engarrafada estudadas não foram divulgadas pelos pesquisadores, pois pretendem examinar mais marcas e coletar amostras adicionais antes de nomear qualquer marca em particular. Sua compra inicial para o estudo foi feita em um Walmart, indicando a disponibilidade comum das marcas estudadas.

As implicações para a saúde do consumo de nanoplásticos são um aspecto crítico desta pesquisa, mas ainda são amplamente desconhecidas. A coautora do estudo, Phoebe Stapleton, toxicologista de Rutgers, destaca que, embora esteja estabelecido que essas partículas estão entrando em tecidos de mamíferos, incluindo humanos, o impacto exato na saúde ainda está em análise. A pesquisa está atualmente focada em entender o que essas partículas fazem no nível celular.

Respondendo a essas descobertas, a Associação Internacional de Água Engarrafada comentou sobre a falta de métodos padronizados para medir nanoplásticos e a ausência de um consenso científico sobre os impactos potenciais na saúde de partículas nano e microplásticas. O Conselho Americano de Química, representando os fabricantes de plásticos, ainda não comentou sobre o estudo.

O estudo também está alinhado com preocupações ambientais mais amplas destacadas pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, que observa a questão pervasiva da poluição plástica. O mundo produz mais de 430 milhões de toneladas de plástico anualmente, e microplásticos foram encontrados em oceanos, alimentos e água potável, originários de várias fontes, incluindo roupas e filtros de cigarro. Esse contexto enfatiza a urgente necessidade de um tratado global sobre plásticos, um assunto de discussões internacionais em andamento.

Respostas pessoais dos pesquisadores envolvidos no estudo indicam uma mudança em seus hábitos de consumo. Após conduzir a pesquisa, todos os quatro coautores entrevistados mencionaram reduzir o uso de água engarrafada. Wei Min reduziu pela metade seu consumo de água engarrafada, enquanto Phoebe Stapleton agora prefere água filtrada em casa. Beizhan Yan aumentou seu uso de água da torneira, embora note que os filtros também podem ser problemáticos ao introduzir plásticos.

O estudo despertou interesse e preocupação de especialistas externos. Jason Somarelli, professor de medicina da Universidade de Duke e diretor do grupo de oncologia comparativa, que não estava envolvido na pesquisa, expressa preocupação com os aditivos em plásticos, que podem causar estresse celular, danos ao DNA e alterar o metabolismo ou a função celular. Ele observa que sua própria pesquisa, ainda não publicada, identificou mais de 100 produtos químicos causadores de câncer em plásticos.

Zoie Diana, uma bióloga evolucionista da Universidade de Toronto que também não fez parte do estudo, levanta preocupações sobre a capacidade de pequenas partículas atravessarem barreiras biológicas, como a barreira sangue-cérebro, que não deveriam cruzar. A nova ferramenta usada na pesquisa é vista como um avanço significativo no estudo de plásticos no meio ambiente e no corpo.

Kara Lavender Law, oceanógrafa da Sea Education Association, reconhece a potencial importância do estudo no avanço da detecção de nanoplásticos, mas enfatiza a necessidade de replicação da técnica e dos resultados por outros químicos analíticos.

Denise Hardesty, oceanógrafa do governo australiano que estuda resíduos plásticos, fornece contexto para as descobertas. Ela observa que o peso total dos nanoplásticos encontrados é aproximadamente equivalente ao peso de uma única moeda em duas piscinas olímpicas. A perspectiva de Hardesty é menos preocupada com nanoplásticos em água engarrafada, em parte devido ao seu acesso a água potável limpa, que ela não precisa comprar em embalagens de uso único.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.