Cofre oculto do ‘Juízo Final’ projetado para salvar a humanidade

por Lucas
0 comentário 190 visualizações

No interior de uma montanha gelada em uma ilha acima do Círculo Ártico, localizada entre a Noruega e o Polo Norte, jaz um recurso crucial para o futuro da humanidade. Esse recurso não é um combustível fóssil ou mineral, mas sim sementes — milhões de pequenos grãos marrons, englobando mais de 930.000 variedades de culturas alimentares. Essas sementes são armazenadas no Cofre Global de Sementes em Spitsbergen, parte do arquipélago de Svalbard, na Noruega. O cofre funciona como um enorme cofre de segurança, abrigando a coleção mais extensa do mundo de biodiversidade agrícola. Brian Lainoff, o coordenador de parcerias do Crop Trust que administra o cofre, descreve-o como contendo 13.000 anos de história agrícola.

O Cofre do Juízo Final

A selva gelada de Svalbard é um dos locais mais remotos da Terra. É o ponto mais ao norte acessível por linha aérea comercial. A região, além da cidade próxima de Longyearbyen, é uma vasta paisagem branca de desolação congelada. O Cofre Global de Sementes, frequentemente referido como o “cofre do juízo final”, foi projetado para proteger contra a destruição localizada e ameaças enfrentadas pelos bancos de genes globalmente. Este apelido evoca imagens de uma reserva pós-apocalíptica de sementes para uso em eventos catastróficos. No entanto, são as destruições menores e mais frequentes que o cofre visa proteger. Esse propósito foi exemplificado durante uma visita da TIME em 2023, quando amostras da Índia, Paquistão e México, juntamente com sementes da Síria devastada pela guerra, foram depositadas.

A entrada do cofre, uma cunha de concreto marcante, destaca-se contra o pano de fundo nevado, reforçando seu apelido de “juízo final”. Sua localização em Svalbard foi escolhida por sua remota, considerada segura contra guerra, terror e outras ameaças globais. Gerenciado por Bente Naeverdal, a propriedade supervisiona as operações diárias. O cofre é vizinho do Arctic World Archive, outro repositório voltado para preservar dados para governos mundiais e instituições privadas, localizado em uma mina próxima.

Entrar no cofre leva a uma sala em formato de túnel preenchida com o zumbido da eletricidade e sistemas de refrigeração, cruciais para manter temperaturas consistentes. Um amplo túnel de concreto, iluminado por iluminação de tira, se estende por 130 metros na montanha, culminando em uma câmara que adiciona outra camada de segurança.

Dos três cofres que se ramificam da câmara, apenas um está atualmente em uso. Sua porta, coberta por uma grossa camada de gelo, sugere as temperaturas abaixo de zero no interior. As sementes são armazenadas em pacotes prateados a vácuo e tubos de ensaio em grandes caixas, arrumadas ordenadamente em prateleiras do chão ao teto. Essas sementes, embora não sejam valiosas monetariamente, possuem chaves potenciais para a segurança alimentar global futura.

Cofre oculto do 'Juízo Final' projetado para salvar a humanidade

NatGeo

Nas últimas cinco décadas, as práticas agrícolas evoluíram significativamente, com avanços tecnológicos facilitando a produção de culturas em larga escala. Esse aumento no rendimento veio às custas da biodiversidade, reduzindo-a ao ponto em que apenas cerca de 30 culturas agora fornecem 95% das necessidades de energia alimentar humana. Por exemplo, apenas 10% das variedades de arroz usadas na China nos anos 1950 ainda estão em uso. Os EUA perderam mais de 90% de suas variedades de frutas e vegetais desde os anos 1900. Tal monocultura na agricultura deixa os suprimentos alimentares mais vulneráveis a doenças e secas.

A coleção do Cofre Global de Sementes inclui variedades selvagens e antigas, muitas já não utilizadas em geral, e algumas extintas fora dessas coleções. Essa diversidade genética pode ser essencial para desenvolver novas cepas para enfrentar desafios regionais e globais futuros, como adaptar culturas a temperaturas mais altas ou novas pragas e doenças, particularmente sob a sombra iminente das mudanças climáticas.

Outros bancos de sementes

Ao redor do mundo, existem aproximadamente 1.700 bancos de genes, formando uma rede global que coleta, preserva e compartilha sementes para promover pesquisas agrícolas e desenvolver novas variedades. O cofre de Svalbard, inaugurado em 2008, atua como um armazenamento de segurança para essas numerosas variedades. A ideia, concebida na década de 1980 por Cary Fowler do Crop Trust, começou a se materializar após um Tratado Internacional de Sementes negociado pela ONU ser assinado em 2001. O governo norueguês financiou sua construção e opera o cofre em parceria com o Crop Trust, visando abrigar uma cópia de cada semente única existente nos bancos de genes globais.

Um exemplo marcante da importância do cofre é a coleção de sementes do Centro Internacional de Pesquisa Agrícola em Áreas Secas (ICARDA). Originalmente baseada na Síria, a organização teve que fugir de sua sede perto de Aleppo devido à guerra civil, deixando para trás um valioso banco de genes de variedades antigas de trigo e cevada. O ICARDA reiniciou seu banco de genes em 2015 usando sementes do cofre de Svalbard, o primeiro saque já realizado. Essas sementes, cultivadas no Líbano e em Marrocos, foram devolvidas ao cofre, completando seu ciclo.

Outros bancos de genes não tiveram tanta sorte. Instalações no Afeganistão e no Iraque foram destruídas em conflitos, juntamente com seu material genético único não respaldado em Svalbard. Desastres naturais e a falta de recursos também representam ameaças significativas a esses bancos de genes. Muitos estão subfinanciados, lutando para armazenar ou proteger adequadamente suas sementes. O Crop Trust está arrecadando fundos para um fundo de doações para garantir a continuidade desses guardiões cruciais da biodiversidade.

Entre os depósitos significativos no cofre está uma coleção do Instituto de Pesquisa Vavilov de São Petersburgo, uma das primeiras coleções de sementes. Durante o cerco de Leningrado, cientistas morreram de fome, recusando-se a comer as sementes que estavam protegendo, destacando sua convicção na importância das sementes para a recuperação pós-guerra da Rússia e sobrevivência humana.

Em uma época de tensões geopolíticas elevadas, o cofre de Svalbard se destaca como um farol de cooperação internacional. Ele aceita sementes de qualquer organização ou país, independentemente de política ou diplomacia. Essa inclusividade é simbolizada pela justaposição de caixas vermelhas de madeira da Coreia do Norte ao lado de caixas pretas dos EUA, e sementes ucranianas sobre as russas no cofre. As sementes, indiferentes às suas origens, jazem frias e seguras, incorporando um compromisso compartilhado com o futuro da humanidade.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.