Descoberto DNA viral misterioso no genoma humano ligado a distúrbios psiquiátricos

por Lucas
0 comentário 18 visualizações

Os vírus antigos têm se escondido no DNA humano há séculos — literalmente. Cerca de 8% do nosso código genético vem desses caronas virais conhecidos como retrovírus endógenos humanos (Hervs). Essas sequências virais estão incrustadas no nosso DNA há centenas de milhares a milhões de anos, muito antes de Homo sapiens aparecer.

Pesquisas recentes apontam que esses restos virais antigos desempenham um papel em distúrbios psiquiátricos como esquizofrenia, transtorno bipolar e transtorno depressivo maior. O que antes era descartado como “DNA lixo” está se revelando muito mais interessante.

Os retrovírus são espertos. Eles se infiltram em uma célula, copiam seu material genético e o inserem no DNA do hospedeiro. Se eles infectam células de esperma ou óvulo, esse DNA viral é transmitido através das gerações, tornando-se uma parte permanente da linhagem genética.

Por muito tempo, os cientistas pensaram que os Hervs eram apenas parasitas sem função real. Mas quanto mais estudavam o genoma humano, mais percebiam que essas sequências virais não estavam apenas ocupando espaço. Hervs podem, na verdade, regular outros genes, influenciando quais são ativados ou desativados. No mundo genético, um gene é “expresso” quando seu segmento de DNA é usado para produzir moléculas de RNA. Essas moléculas de RNA podem então criar proteínas específicas ou ajudar a regular outras partes do genoma.

Um Herv em particular regula um gene que ajusta as conexões entre células cerebrais. Hervs também foram vistos produzindo RNA e até proteínas em amostras de sangue e cérebro. Essas moléculas podem se mover e desempenhar vários papéis, mostrando o quão versáteis e astutas essas sequências virais podem ser.

Curiosamente, alguns genes humanos são realmente derivados de Hervs. Por exemplo, syncytins 1 e 2, que são cruciais para o desenvolvimento placentário, têm origens virais. Esses genes destacam como a evolução pode cooptar DNA viral para funções biológicas essenciais.

Dada a abundância e o impacto potencial dos Hervs, os pesquisadores têm explorado se a suscetibilidade genética a distúrbios psiquiátricos poderia estar ligada a diferenças na expressão dos Hervs. Para investigar, eles examinaram quase 800 amostras de cérebros de autópsias, perfilando como essas sequências virais eram expressas. Eles então cruzaram esses dados com resultados de estudos genéticos massivos comparando diferenças de DNA em pessoas com e sem condições de saúde mental.

Os resultados foram intrigantes. Eles descobriram que a expressão de quatro Hervs específicos estava ligada à suscetibilidade genética a distúrbios psiquiátricos importantes. Dois desses estavam associados à esquizofrenia, um com esquizofrenia e transtorno bipolar, e um com depressão. Isso sugere que os Hervs podem estar desempenhando um papel mais significativo na função cerebral do que se pensava anteriormente.

Essas sequências virais antigas podem ser mais um pedaço do complexo quebra-cabeça dos distúrbios psiquiátricos. Embora muitos genes estejam envolvidos, os Hervs fazem parte do quadro. Entender exatamente como esses restos virais afetam as células cerebrais e influenciam a suscetibilidade às condições de saúde mental exige mais pesquisas.

Os cientistas estão apenas começando a descobrir a importância dessas sequências virais no genoma humano. Por anos, os Hervs foram ignorados ou descartados como DNA lixo. Mas agora, eles estão ganhando destaque como jogadores potencialmente cruciais na função cerebral e na saúde mental.

Embora seja cedo para dizer como essa pesquisa pode se traduzir em novos tratamentos, os achados são promissores. Ao ligar a expressão dos Hervs no cérebro com distúrbios psiquiátricos, os pesquisadores estão destacando a importância dessas sequências virais antigas.

O estudo foi publicado na revista Nature.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.