Os humanos podem ‘cheirar’ as emoções uns dos outros

por Lucas
0 comentário

Chrissi Kelly, uma arqueóloga americana residente no Reino Unido, vivenciou uma mudança significativa em sua vida após uma infecção viral que causou a perda do seu sentido de olfato. Ela descreveu a sensação como se estivesse “flutuando para longe”, sentindo-se desconectada do mundo. Kelly enfatizou a importância do olfato na conexão com a natureza e a família, afirmando, “Eu achei viver sem o sentido de olfato profundamente desorientador.”

Motivada por sua experiência, Kelly fundou uma instituição de caridade chamada AbScent, destinada a apoiar indivíduos que sofrem de perda de olfato. Essa iniciativa coincide com pesquisas emergentes que sublinham o papel integral do olfato na identidade humana e interações sociais.

Um estudo europeu de 2023 destacou que emoções humanas, como medo ou ansiedade, podem ser comunicadas através do cheiro e podem influenciar os sentimentos dos outros. Além disso, um estudo chinês sugeriu uma correlação entre a acuidade olfativa e as conexões sociais, indicando que pessoas com um sentido de olfato mais apurado tendem a ter mais amigos.

Contrariamente a uma subestimação histórica do olfato, com Charles Darwin uma vez observando que o sentido de olfato é de “serviço extremamente limitado” para os humanos, pesquisas atuais revelam seu impacto sutil, porém significativo, nas dinâmicas sociais. Bettina Pause, uma psicóloga biológica, observou que o olfato social opera frequentemente além da consciência. Por exemplo, um estudo observou que indivíduos tendem a cheirar mais frequentemente suas mãos após apertar as mãos de alguém do mesmo gênero, sugerindo uma resposta inata para coletar informações olfativas.

A capacidade de discernir odores corporais desempenha um papel no reconhecimento de parentes e na identificação de potenciais amigos, que frequentemente compartilham semelhanças genéticas e odores corporais semelhantes. Em estudos, novas mães conseguiram identificar seus bebês pelo cheiro após apenas 10 minutos de interação, e recém-nascidos demonstraram a capacidade de reconhecer suas mães. Pesquisas no Instituto Weizmann de Ciência revelaram ainda que adultos humanos são capazes de distinguir gêmeos idênticos com base no odor corporal, mesmo quando os gêmeos vivem separadamente. Um estudo de 2022 do mesmo instituto descobriu que voluntários podiam prever laços sociais comparando odores corporais, tarefa realizada tanto por olfatos humanos quanto por um nariz eletrônico.

A influência do cheiro na percepção de estados emocionais também foi documentada. Em um experimento holandês, voluntários que assistiam a vídeos alegres enquanto seguravam almofadas absorventes em suas axilas influenciaram o humor de outros que mais tarde cheiraram estas almofadas. Isso foi evidenciado pelo aumento da atividade nos músculos faciais associados ao sorriso. Da mesma forma, um estudo de 2020 de Pause e colegas indicou que o cérebro das mulheres reagiu mais fortemente ao suor de homens que participaram de uma competição agressiva em comparação com homens envolvidos em uma atividade calma. Essa reação sugere uma sensibilidade aumentada a odores que sinalizam ansiedade masculina.

A pesquisa de Pause também vincula a sensibilidade olfativa com a empatia, já que um pequeno estudo de 2022 mostrou que mulheres com um sentido de olfato mais aguçado se saíram melhor em testes de empatia. Esses achados sugerem conexões evolutivas, com mulheres historicamente mais sintonizadas com sinais de angústia para fins de cuidado.

Ter um nariz sensível parece aprimorar a conectividade social. Um estudo de 2020 envolvendo 221 voluntários concluiu que indivíduos que conseguiam distinguir melhor odores cotidianos relataram se sentir menos solitários. Experimentos adicionais revelaram que aqueles com um sentido de olfato mais agudo tinham redes sociais maiores e interações mais frequentes com amigos. Estudos de imagem cerebral indicaram que os circuitos neurais envolvidos no olfato podem também estar relacionados ao tamanho do círculo social de uma pessoa.

Apesar desses insights, os mecanismos pelos quais os humanos interpretam odores corporais e seus subsequentes efeitos comportamentais não são totalmente compreendidos. Johan Lundström, neurocientista no Instituto Karolinska, reconhece essa complexidade, afirmando, “É um problema multifacetado que ainda temos que começar a desvendar.” Os pesquisadores estão começando a identificar substâncias químicas específicas no odor corporal, como hexanal, que emite um cheiro semelhante ao da grama e parece aumentar a confiança. No entanto, ainda não está claro se níveis mais altos de hexanal no odor corporal se correlacionam com percepções de confiabilidade, conforme apontado por Monique Smeets, psicóloga social.

A pandemia de COVID-19 trouxe uma atenção renovada ao sentido de olfato, especialmente dado o distúrbio olfativo vivenciado por uma parcela significativa daqueles infectados pelo vírus. Um estudo de 2023 estimou que 11,7% dos adultos de ascendência europeia que contraíram a variante ômicron experimentaram alguma forma de disfunção olfativa. Essa perda pode impactar formas sutis, porém vitais, de comunicação social.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.