Detectada atividade vulcânica em Vênus

por Lucas
0 comentário 3 visualizações

A sonda espacial Magellan da NASA forneceu novos insights sobre a atividade vulcânica em Vênus. Pesquisadores analisando dados de radar do início dos anos 1990 descobriram que dois vulcões entraram em erupção durante esse período. Esta descoberta se baseia na descoberta significativa de 2023 de um vulcão ativo detectado no mesmo conjunto de dados.

O vulcão Sif Mons, uma característica proeminente em Vênus, mostrou sinais de atividade contínua. Cientistas italianos usaram dados da missão Magellan da NASA para identificar mudanças na superfície de Vênus que indicam novas formações rochosas provenientes de fluxos de lava. A missão Magellan, gerenciada pelo Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA, mapeou 98% da superfície de Vênus entre 1990 e 1992, produzindo as imagens mais detalhadas do planeta até hoje.

Davide Sulcanese, da Universidade d’Annunzio em Pescara, Itália, que liderou o estudo, afirmou: “Nossos resultados mostram que Vênus pode ser muito mais vulcanicamente ativo do que se pensava anteriormente”. Ao analisar os fluxos de lava observados, a equipe descobriu que a atividade vulcânica em Vênus poderia ser comparável à da Terra.

Em 2023, imagens de radar da sonda Magellan revelaram mudanças em uma abertura associada ao vulcão Maat Mons, perto do equador de Vênus, fornecendo a primeira evidência direta de uma erupção vulcânica recente no planeta. Comparando imagens de radar ao longo do tempo, os pesquisadores detectaram fluxos de rocha derretida do subsolo de Vênus, preenchendo a cratera da abertura e escorrendo por suas encostas.

Estudar vulcões ativos ajuda os cientistas a entender como o interior de um planeta molda sua crosta, impulsiona sua evolução e afeta sua habitabilidade. Descobrir vulcanismo recente em Vênus fornece informações valiosas sobre a história do planeta e seu caminho evolutivo divergente em comparação com a Terra.

Em seu estudo, publicado na Nature Astronomy, os pesquisadores se concentraram em dados arquivados do Radar de Abertura Sintética da Magellan. Essas ondas de radar penetraram na espessa camada de nuvens de Vênus, refletiram na superfície e retornaram à sonda. Os sinais refletidos, conhecidos como retroespalhamento, carregavam informações sobre o material da superfície.

O estudo analisou dados de dois locais: o vulcão Sif Mons em Eistla Regio e a parte oeste de Niobe Planitia, lar de numerosas formações vulcânicas. Examinando dados de retroespalhamento de 1990 e 1992, os pesquisadores notaram um aumento na força do sinal de radar ao longo de certos caminhos, sugerindo novas formações rochosas, provavelmente de lava solidificada. Eles consideraram outras possibilidades, como microdunas e efeitos atmosféricos, mas confirmaram a presença de novos fluxos de lava.

Para validar ainda mais suas descobertas, os pesquisadores analisaram dados de altimetria da Magellan para determinar as inclinações da superfície e localizar obstáculos que poderiam influenciar o fluxo de lava. “Interpretamos esses sinais como fluxos ao longo de encostas vulcânicas ou planícies, desviando-se em torno de obstáculos como vulcões escudo,” disse o coautor do estudo, Marco Mastrogiuseppe, da Universidade Sapienza de Roma. “Após descartar outras possibilidades, confirmamos que estes são novos fluxos de lava.”

Comparando os fluxos aos da Terra, os pesquisadores estimaram que as novas formações rochosas em ambos os locais tinham entre 3 e 20 metros de profundidade. Eles calcularam que a erupção de Sif Mons produziu cerca de 30 quilômetros quadrados de rocha, suficiente para encher pelo menos 36.000 piscinas olímpicas. A erupção de Niobe Planitia produziu aproximadamente 45 quilômetros quadrados de rocha, o suficiente para encher 54.000 piscinas olímpicas. Para comparação, a erupção de 2022 do Mauna Loa no Havaí produziu lava suficiente para encher 100.000 piscinas olímpicas.

Scott Hensley, cientista pesquisador principal do JPL e coautor do estudo de 2023, disse: “Este trabalho fornece outro exemplo de mudança vulcânica em Vênus a partir de novos fluxos de lava.” Hensley também é o cientista do projeto da próxima missão VERITAS da NASA, que pretende ser lançada no início da próxima década. VERITAS usará radar de abertura sintética de próxima geração para criar mapas globais 3D e um espectrômetro de infravermelho próximo para analisar a composição da superfície de Vênus e monitorar a atividade vulcânica. A espaçonave também medirá o campo gravitacional do planeta para determinar sua estrutura interna.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.