NASA observa sombras raras e ‘fantasmagóricas’ nos anéis de Saturno

por Lucas
0 comentário 10 visualizações

O Telescópio Espacial Hubble, o observatório espacial orbitando a Terra, capturou recentemente uma nova imagem dos anéis de Saturno, destacando enigmáticas “sombras”, um fenômeno que continua a intrigar cientistas. Esta última imagem foi tirada em 22 de outubro, quando Saturno estava aproximadamente a 1,37 bilhões de quilômetros da Terra. A importância desta observação reside no mistério contínuo em torno dessas sombras fantasmagóricas nos anéis de Saturno, notadas pela primeira vez há décadas.

Historicamente, a existência dessas “falhas” nos anéis de Saturno é conhecida por astrônomos há bastante tempo. Elas se assemelham a figuras espectrais que parecem deslizar pelos anéis, mudando de posição de acordo com o ciclo orbital de Saturno. Ao longo dos anos, observou-se que o número e a aparência dessas sombras podem flutuar, influenciadas pelo próprio ciclo sazonal de Saturno. O planeta, assim como a Terra, tem uma inclinação axial que resulta em estações. No entanto, cada estação em Saturno dura aproximadamente sete anos.

Na tentativa de desvendar o mistério dessas sombras, o Hubble está programado para observar este fenômeno durante seu pico de atividade. Amy Simon, a cientista-chefe do programa Outer Planet Atmospheres Legacy (OPAL) do Hubble no Goddard Space Flight Center da NASA, observou a expectativa de aumento da atividade das sombras à medida que Saturno se aproxima de seu equinócio, que está previsto para 6 de maio de 2025. O equinócio, um período em que o equador do planeta se alinha com o sol, é previsto como um momento de atividade intensificada para essas sombras.

A origem dessas sombras remonta aos anos 1980, quando a espaçonave Voyager 2 da NASA capturou pela primeira vez evidências de sua existência. Observações subsequentes foram feitas pela missão Cassini, uma sonda dedicada a Saturno, particularmente durante o final dos anos 2000, quando o fenômeno estava em um pico sazonal. As observações recentes do Hubble fazem parte de um esforço renovado para determinar a causa por trás da aparência das sombras.

Apesar de parecerem pequenas nas imagens, essas sombras são bastante vastas, com algumas se estendendo em larguras e diâmetros maiores que a Terra, segundo a NASA. O estudo contínuo dessas características de Saturno, especialmente através do equinócio de 2025, visa finalmente fornecer uma explicação para essas aparições fantasmagóricas.

A NASA sugeriu que o campo magnético variável de Saturno poderia ser a chave para entender as sombras. A interação entre campos magnéticos planetários e o vento solar cria um ambiente eletricamente carregado. Na Terra, essa interação é visível como a aurora boreal, ou luzes do norte, no hemisfério norte. A teoria sugere que pequenas partículas nos anéis de Saturno podem se tornar eletricamente carregadas devido a essa atividade, fazendo com que se elevem acima do material circundante e formem protuberâncias visíveis.

A esperança é que os dados coletados pelo Hubble, baseados nas observações do Voyager 2 e da missão Cassini, confirmem ou refutem essa teoria. Tais dados podem fornecer insights significativos sobre a natureza das sombras, contribuindo para uma melhor compreensão não apenas dos anéis de Saturno, mas também das dinâmicas mais amplas de sistemas de anéis planetários e campos magnéticos em nosso sistema solar.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.