Por que os cães realmente abanam o rabo: nova teoria pode resolver o mistério

por Lucas
0 comentário 51 visualizações

A exploração do motivo pelo qual os cães abanam o rabo continua sendo um assunto intrigante e alvo de pesquisa. Um artigo de opinião recente apresenta insights sobre esse comportamento, discutindo teorias e achados de vários estudos. Apesar da crença comum de que o abanar de rabo em cães significa felicidade, evidências científicas sugerem um quadro mais complexo.

Pesquisadores revisaram mais de 100 estudos, descobrindo achados que desafiam a associação simples entre o abanar de rabo e emoções positivas em cães. Notavelmente, evidências indicam que cães agressivos podem abanar o rabo mais frequentemente do que seus equivalentes mais dóceis. Esta observação contradiz a percepção humana prevalente de que o abanar de rabo está exclusivamente ligado a sentimentos positivos nos cães.

Outros estudos incluídos na revisão revelam que os cães também abanam o rabo na presença de objetos aleatórios, como ventiladores e sacolas plásticas. Nestes casos, acredita-se que o abanar de rabo expresse emoções positivas ou alta excitação, mas não necessariamente medo ou estresse. Além disso, foram observadas instâncias em que cães abanam o rabo ao procurar comida, sugerindo que o comportamento possa servir como um sinal para solicitar algo.

Diante dos dados diversos e às vezes contraditórios sobre o abanar de rabo, os autores do estudo não chegam a uma conclusão definitiva sobre os exatos motivos deste comportamento. No entanto, eles propõem duas hipóteses. A primeira, chamada de hipótese da “síndrome da domesticação”, sugere que o abanar de rabo pode ser um resultado não intencional da seleção humana por outras características nos cães. Apoiando essa teoria está um estudo sobre raposas prateadas, criadas por 40 gerações para serem mansas e dóceis. Essas raposas exibiam um abanar de rabo semelhante ao dos cães e tinham rabos mais enrolados, apesar de essas características não terem sido diretamente selecionadas. Esta descoberta sugere uma possível ligação genética entre a docilidade e a anatomia do rabo, indicando uma correlação acidental entre a amabilidade e o abanar de rabo em cães domesticados.

A segunda hipótese, denominada “abanar rítmico domesticado”, propõe que o abanar de rabo pode ter sido um alvo específico da domesticação. Segundo essa teoria, os humanos podem ter selecionado cães que abanam o rabo com mais frequência e ritmo, talvez inconscientemente. Esta ideia é fundamentada em pesquisas de neurociência cognitiva, que mostram que o cérebro humano tem uma preferência natural por estímulos rítmicos. Essa preferência pode ter influenciado a seleção humana por cães que exibem um abanar de rabo rítmico e notável, especialmente nas interações com humanos.

Apesar da natureza interessante dessas teorias, elas permanecem especulativas e não são respaldadas por evidências robustas. Os autores reconhecem a natureza tentativa de suas propostas e enfatizam a necessidade de pesquisas mais detalhadas. Eles defendem estudos que rastreiem o movimento dos rabos dos cães em várias situações e monitorem a atividade cerebral associada ao abanar de rabo para obter uma compreensão mais profunda desse fenômeno.

Este artigo de opinião, lançando luz sobre a natureza complexa e multifacetada do abanar de rabo em cães, é publicado no periódico Biology Letters.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.