Tsunami de 8.000 anos atrás pode ter devastado comunidade da Idade da Pedra

por Lucas
0 comentário 36 visualizações

O tsunami de Storegga, ocorrido há mais de 8.000 anos, é um evento pré-histórico significativo que impactou comunidades costeiras durante o período Mesolítico. Originado de um grande deslizamento submarino na costa oeste da Noruega, estima-se que o tsunami ocorreu entre 8.120 e 8.175 anos atrás. A magnitude desse evento foi substancial, com alturas de onda alcançando aproximadamente 12 metros ao longo da costa norueguesa e 3 a 6 metros na Grã-Bretanha continental. Nas Ilhas Shetland, a mais de 160 quilômetros ao norte do continente escocês, acredita-se que as alturas das ondas tenham excedido 20 metros.

Esse desastre natural coincidiu com um notável declínio populacional entre as comunidades costeiras do norte da Grã-Bretanha, que viviam estilos de vida nômades e caçadores-coletores durante a era Mesolítica. Apesar das extensas evidências do impacto do tsunami de Storegga em uma vasta região do Mar do Norte, houve falta de pesquisa focada sobre como esse evento afetou especificamente as populações Mesolíticas nessas áreas. O impacto geral de tsunamis antigos em populações humanas contemporâneas permanece em grande parte inexplorado.

Na tentativa de preencher essa lacuna de conhecimento, um estudo publicado no Journal of Quaternary Science explorou os possíveis efeitos do tsunami de Storegga nas populações humanas vivas na época. Patrick Sharrocks, um pesquisador afiliado à Universidade de York e à Universidade de Leeds, descreveu isso como um dos esforços iniciais para associar diretamente o tsunami de Storegga com seu impacto nas pessoas do Mesolítico.

O estudo utilizou um supercomputador para simular o tsunami de Storegga, com o objetivo de avaliar seus impactos potenciais nas populações humanas nas regiões afetadas. O foco foi particularmente na costa de Northumberland, no nordeste da Inglaterra, fronteira com a Escócia. Esta área é significativa por seu sítio Mesolítico em Howick, situado em um local rico em recursos perto de um estuário de rio, a algumas centenas de metros da costa. O local, conhecido pela coleta extensiva de avelãs, indica ocupação durante pelo menos o outono e o inverno, com a possibilidade de habitação durante todo o ano.

Há evidências de que humanos habitavam Howick antes do tsunami de Storegga. Um depósito de sedimentos próximo ao local, possivelmente ligado ao tsunami, poderia fornecer insights raros sobre os efeitos diretos desse evento na população Mesolítica, embora sua origem exata permaneça incerta.

As descobertas do estudo indicaram que o tsunami poderia ter inundado o local do depósito de sedimentos, formando o depósito, mas isso teria dependido da onda atingir a costa na maré alta. O impacto nos habitantes Mesolíticos da área provavelmente teria sido significativo, com a simulação mostrando altas taxas de mortalidade em Howick como consequência direta do tsunami. As estimativas de mortalidade em Howick variaram, chegando a 100 por cento para humanos pré-históricos na zona intertidal rica em recursos.

Sharrocks observou que as estimativas de mortalidade para a zona intertidal foram maiores do que o esperado, implicando que o impacto do tsunami nas pessoas do Mesolítico poderia ter sido severo. Os modelos sugerem que o tsunami teria inundado uma grande área, resultando na perda de recursos cruciais, como avelãs, antes dos meses de inverno. Os impactos diretos do tsunami, juntamente com a perda de recursos essenciais, teriam dificultado significativamente a capacidade de sobrevivência dos povos Mesolíticos nos meses mais difíceis.

A pesquisa sugere que os efeitos combinados do tsunami poderiam ter se replicado entre populações costeiras no norte da Grã-Bretanha. Esses resultados implicam um impacto local e regional significativo, potencialmente contribuindo para o declínio populacional observado durante esse período. A falta de experiência prévia com tsunamis entre essas populações provavelmente teria levado à ignorância de sinais de alerta, como um oceano recuando, um fenômeno também observado em algumas das áreas mais afetadas durante o tsunami do Oceano Índico em 2004.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.