Vermes predadores ‘gigantes’ com mais de meio bilhão de anos descobertos no norte da Groenlândia

por Lucas
0 comentário 27 visualizações

Fósseis de um novo grupo de predadores animais foram descobertos na localidade de fósseis do Sirius Passet do Cambriano Inicial no norte da Groenlândia. Essa descoberta é fundamental para entender os ecossistemas marinhos primitivos, especialmente durante o período Cambriano, que data de mais de 518 milhões de anos atrás. Os novos animais fósseis foram nomeados Timorebestia, que se traduz como ‘bestas do terror’ em latim. Essas criaturas são distinguidas por seus atributos físicos únicos e tamanho significativo durante os tempos do Cambriano Inicial.

Timorebestia, crescendo para mais de 30 cm de comprimento, estavam entre os maiores animais nadadores de sua era. Eles possuíam barbatanas ao longo de seus corpos, uma cabeça distinta com longas antenas e estruturas de mandíbula substanciais em suas bocas. Essas características sugerem que Timorebestia eram predadores formidáveis em seus habitats marinhos.

O entendimento científico anterior indicava que artrópodes primitivos eram os predadores dominantes durante o período Cambriano, notavelmente os anomalocarídidos. No entanto, a descoberta de Timorebestia oferece uma nova perspectiva. O Dr. Jakob Vinther, da Escola de Ciências da Terra e Ciências Biológicas da Universidade de Bristol e autor sênior do estudo, elabora sobre esse aspecto. Ele explica que, embora Timorebestia seja um parente distante dos vermes-flecha modernos ou chaetognathas, eles diferem significativamente em tamanho. Os vermes-flecha modernos são muito menores predadores oceânicos que se alimentam principalmente de minúsculos zooplânctons.

Esta descoberta também lança luz sobre a complexidade dos ecossistemas oceânicos antigos. A cadeia alimentar durante o período Cambriano permitia vários níveis de predadores, com Timorebestia posicionados perto do topo. Seu papel na cadeia alimentar é comparável em importância a alguns dos principais carnívoros nos oceanos modernos, como tubarões e focas.

A pesquisa sobre Timorebestia também inclui descobertas de seus sistemas digestivos fossilizados. Dentro desses sistemas, foram descobertos restos de um artrópode nadador comum chamado Isoxys. Morten Lunde Nielsen, ex-aluno de doutorado em Bristol e parte do estudo atual, observa que esses artrópodes eram uma fonte de alimento prevalente para muitos outros animais naquela época. Apesar de Isoxys ter longas espinhas protetoras, eles eram frequentemente predados por Timorebestia.

Vermes-flecha, um dos fósseis animais mais antigos do Cambriano, aparecem pela primeira vez no registro fóssil há cerca de 521 a 529 milhões de anos. Timorebestia e vermes-flecha mais primitivos eram predadores nadadores. O Dr. Vinther sugere que esses organismos provavelmente eram dominantes nos oceanos antes da proliferação dos artrópodes. Ele estima que eles poderiam ter tido um domínio de cerca de 10 a 15 milhões de anos antes de serem superados por outros grupos mais bem-sucedidos.

Luke Parry, da Universidade de Oxford, também parte do estudo, discute a importância evolutiva de Timorebestia. Ele aponta que, enquanto os vermes-flecha modernos têm cerdas ameaçadoras do lado de fora de suas cabeças para capturar presas, Timorebestia tinha mandíbulas dentro de sua cabeça. Isso é semelhante ao que se observa em vermes com mandíbulas microscópicas hoje, que compartilham um ancestral com vermes-flecha há mais de meio bilhão de anos. Timorebestia e outros fósseis semelhantes fornecem elos cruciais entre organismos intimamente relacionados que hoje parecem muito diferentes.

Tae Yoon Park, do Instituto Coreano de Pesquisa Polar, outro autor sênior e líder da expedição de campo, acrescenta à discussão sobre a evolução dos vermes-flecha. Ele menciona que os vermes-flecha vivos possuem um gânglio ventral único, um centro nervoso distinto em sua barriga, exclusivo desses animais. Essa característica é preservada em Timorebestia e outro fóssil chamado Amiskwia. A preservação desses gânglios ventrais reforça a hipótese de que Amiskwia estava intimamente relacionado aos vermes-flecha como parte de sua linhagem evolutiva.

As expedições ao Sirius Passet, localizado nas regiões remotas do norte da Groenlândia, têm sido frutíferas na descoberta de uma variedade diversificada de novos organismos. A preservação excepcional neste local permite que os pesquisadores revelem detalhes anatômicos intrincados, incluindo sistemas digestivos, anatomia muscular e sistemas nervosos dos organismos descobertos. Espera-se que essas descobertas forneçam informações valiosas sobre os primeiros ecossistemas animais e sua evolução.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.