Esta semana a galáxia de Andrômeda poderá ser vista do planeta Terra

por Lucas
0 comentário 6 visualizações

Esta semana, os entusiastas da astronomia têm uma oportunidade notável de observar a Galáxia de Andrômeda, uma maravilha celestial localizada a aproximadamente 2,5 milhões de anos-luz da Terra. Ela é a galáxia mais distante visível a olho nu de nosso planeta.

Para localizá-la, é necessário inicialmente identificar o Grande Quadrado de Pégaso no céu de outono. Usando binóculos, deve-se focar em Alpheratz, localizada no canto superior esquerdo do quadrado. Em seguida, movendo-se para leste até a estrela Mirach na constelação de Andrômeda e continuando na mesma direção, os observadores encontrarão o que parece ser uma nuvem difusa, marcando a Galáxia de Andrômeda.

Para aqueles não familiarizados com a navegação estelar, aplicativos de observação de estrelas podem ser úteis para localizar esses corpos celestes. Contudo, recomenda-se desligar dispositivos eletrônicos após localizar a galáxia para melhorar a visão noturna e apreciar plenamente seu esplendor.

Significado Histórico e Astronômico

A Galáxia de Andrômeda, catalogada como M31 nos registros de Charles Messier, foi documentada pela primeira vez no ano de 964 pelo astrônomo persa Abd-al-Rahman Al-Sufi. Ele a descreveu como uma “pequena nuvem”. Posteriormente, em 1612, Simon Marius, contemporâneo de Galileu, fez a primeira observação telescópica desta galáxia, notando-a como um brilho indefinido.

Apesar de parecer uma nuvem alongada a olho nu, a Galáxia de Andrômeda é uma vasta coleção de cerca de um trilhão de estrelas. Seu diâmetro, quase 200.000 anos-luz, supera o da Via Láctea. Essa galáxia é acompanhada por várias galáxias satélites, incluindo M32 e M110, observáveis por telescópios de pequeno a médio porte.

Ao observar a Galáxia de Andrômeda, está-se, na verdade, olhando para trás no tempo, devido à jornada milionária da luz até a Terra. Embora Andrômeda seja a vizinha galáctica mais próxima da Via Láctea, existem galáxias a mais de um bilhão de anos-luz de distância. Pesquisas recentes indicam que Andrômeda sofreu uma grande colisão cósmica com outra galáxia espiral há cerca de seis bilhões de anos, o que contribuiu para sua expansão. Este evento antecipa uma futura colisão cósmica com a Via Láctea, esperada em aproximadamente 4,5 bilhões de anos. Tal colisão poderia potencialmente alterar a posição do nosso sistema solar.

O destino do sistema solar é influenciado por outros fatores também. Previsões sugerem que em 500 a 1,5 bilhão de anos, o aumento da luminosidade do Sol tornará a Terra inabitável, marcando um ponto de virada significativo na história do sistema solar.

Fonte: Space.com

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.